Cicarelli diz que namorado fez pedido para bloquear YouTube

A apresentadora e modelo Daniela Cicarelli negou nesta terça-feira que tenha entrado com a ação contra o site YouTube, pedindo que o site retirasse do ar um vídeo no qual aparece em cenas quentes com o namorado Tato Malzoni em uma praia espanhola. Em entrevista ao Jornal da Globo, Cicarelli se mostrou assustada com a recepção negativa que o bloqueio do site teve no Brasil, afirmando que a decisão de pedir o bloqueio das cenas foi tomada unicamente por Malzoni. "A decisão é dele, eu não tenho nada a ver com isso. Quem entrou com a ação foi o Tato, prefiro não julgar", disse a apresentadora da MTV. "Ele está fazendo o que acha certo, eu não vou me intrometer na decisão dele. Se eu estivesse de acordo, entraria também, pois participaria da divisão da indenização". Cicarelli lamentou o bloqueio ao YouTube realizado por operadoras telefônicas na segunda-feira, após uma decisão do desembargador Ênio Santarelli Zuliani, do Tribunal de Justiça de São Paulo, de proibir o acesso ao portal de vídeos. Contudo, a apresentadora disse que não tem por que pedir desculpas. "Eu acesso (o YouTube) e tem milhares de pessoas que pegam o site como fonte de informação, de divertimento. Não tenho por que pedir desculpas, não posso pedir desculpas por uma coisa que eu não tenho culpa", disse ela. Decisão Nesta terça-feira, o desembargador Zuliani voltou atrás em sua decisão e disse que quis impedir apenas impedir o acesso ao vídeo no endereço, mas sua decisão que acabou tirando do ar o site de vídeos YouTube. Zuliani se justificou afirmando que a decisão foi motivada pela negativa do site em cumprir uma decisão judicial e que só foi aplicada pela impossibilidade de bloquear apenas o acesso ao vídeo da modelo. Em nova decisão, o desembargador determinou que fosse restabelecido o sinal do site YouTube no Brasil, solicitando que as operadoras voltassem a permitir o acesso. Brasil Telecom cumpre nova ordem Segundo o site Consultor Jurídico, no final da tarde desta terça-feira a Brasil Telecom cumpriu a nova ordem da Justiça e voltou a liberar o acesso dos internautas YouTube. Das cinco empresas que operam os troncos de conexão internacional (backbone), a Brasil Telecom e a Telefônica foram notificadas e bloquearam o acesso ao site. Os usuários da Telefônica continuam sem poder navegar no YouTube.

Agencia Estado,

10 Janeiro 2007 | 00h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.