Cientistas estudam vizinhança de estrela prestes a explodir

Pesquisadores detectam material do vento solar emitido 50 anos antes da explosão

Efe

12 Julho 2007 | 18h28

Um grupo internacional de cientistas detectou, pela primeira vez, "evidências claras e diretas" do material que pode ser encontrado ao redor de uma estrela antes que ela venha a explodir e virar uma supernova tipo Ia, disse a pesquisadora Nancy Elias-Rosa. Este trabalho - pelo qual Nancy Elias-Rosa é uma das responsáveis - foi publicado na edição mais recente da Science e conta com a participação de especialistas de entidades científicas da Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido, entre outros. Segundo a especialista, "as supernovas tipo Ia são a etapa final da evolução de estrelas de massa pequena, chamadas anãs brancas, em sistemas binários onde a companheira, devido à forte atração entre elas, perde massa que passa à anã branca, que explode quando alcança um valor crítico de massa". Para o estudo, os cientistas reuniram "dados únicos", após observar detalhadamente uma supernova tipo Ia durante mais de quatro meses desde sua explosão. Tratava-se de SN 2006X, uma brilhante supernova tipo Ia que explodiu a 70 milhões de anos-luz, "na esplêndida galáxia espiral Messier 100", disse a especialista. Para os pesquisadores, disse, os resultados "mais notáveis" detectados são "as mudanças claras na absorção do material expulso pela estrela gigante, companheira da anã branca". "Essas mudanças do material interestelar nunca haviam sido observadas antes, e mostram os efeitos que uma explosão da supernova pode ter em seu ambiente mais próximo". As observações permitem deduzir a existência de várias camadas de material expulso como vento estelar da estrela gigante, no passado. Este material provavelmente se movimentava dentro de uma série de camadas com um raio aproximado de 0,05 anos-luz, ou 3.000 vezes a distância entre a Terra e o Sol, a uma velocidade de 50 km/s, de acordo com os cientistas.

Mais conteúdo sobre:
supernova estrelas galáxia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.