Cisco aposta em software e serviços para crescer no médio prazo

A Cisco Systems divulgou nesta sexta-feira sua estratégia de crescimento de médio prazo, apostando no aumento da demanda por software, serviços e segurança, à medida que a empresa busca tornar-se a principal companhia mundial de tecnologia da informação.

NICOLA LESKE, Reuters

07 Dezembro 2012 | 16h03

A Cisco, cujos negócios principais incluem roteadores e switches que movimentam o tráfego na Internet e ainda geram cerca de 50 por cento de sua receita, tem consistentemente expandido suas outras ofertas de produtos, incluindo data centers, segurança de redes e videoconferência.

Em cinco anos, os planos da Cisco são de dobrar a receita com software, atualmente em 6 bilhões de dólares, afirmou o presidente-executivo, John Chambers, em uma conferência com analistas em Nova York, acrescentando que o crescimento será principalmente orgânico, mas incluirá algumas aquisições.

Chambers está apostando na especialidade da Cisco em redes, o que, segundo ele, permite desenvolvimentos como computação nas nuvens, data centers e aplicativos, e, eventualmente, o conceito de "Internet das coisas", que prevê a conexão de tudo, desde semáforos a dispositivos médicos à rede elétrica.

Chambers e o vice-presidente financeiro da Cisco, Frank Calderoni, reiteraram a meta da companhia de 5 a 7 por cento de crescimento anual da receita em três a cinco anos. A receita foi de 46,1 bilhões de dólares em 2012.

O analista Zeus Kerravala, da ZK Research, disse que a Cisco tem uma "boa chance" de tornar-se uma companhia de TI mais ampla, mas não ofereceu grandes surpresas, especialmente sobre as previsões de receita.

Sobre o crescimento nos mercados emergentes, Chambers disse que a companhia tem se saído bem nos cinco maiores mercados, mas tem que trabalhar mais em outros.

"O desafio está do 6o ao 20o (mercado emergente)", disse o executivo.

Negócios em mercados emergentes geraram 9 bilhões de dólares em receita em 2012.

Mais conteúdo sobre:
TECH CISCO SOFTWARE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.