Computação visual é tendência para o futuro

Na visão da Intel, os maiores avanços na área computacional se darão na área visual. Essa tendência foi parcialmente antecipada com o desenvolvimento dos jogos para computador, que impulsionou muito o desenvolvimento de programas e dispositivos de vídeo. Segundo a Intel, o poder de processamento das novas plataformas permitirá usos de poder computacional até então inéditos. Interfaces muito ricas em termos visuais abrem perspectivas para usos como entretenimento em três dimensões, reprodução virtual de ambientes e situações, identificação de objetos e pessoas feitas por computador em tempo real, aplicações na medicina permitindo visualização de locais e objetos que antes só podiam ser imaginados. Uma nova solução de hardware cujo codinome é Larrabee é a aposta da Intel nesta direção. O chip, que segundo fontes da Intel, conta com 32 núcleos, terá poder para criar gráficos tridimensionais – como uma placa de vídeo – ao mesmo tempo que será usado para outras aplicações, como conversão de vídeos e músicas, análise de imagens, cálculos complexos como análise de informações financeiras, simulações de física em tempo real e até modelagem de moléculas químicas. Muito além de um chip gráfico, o objetivo é criar novas possibilidade de uso. O Larrabee não será usado sozinho e sim como um "co-processador", visando acelerar e viabilizar toda a complexidade deste mundo da computação visual.

Flavio Xandó,

25 Agosto 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.