Computador pelo PAC fica até 12% mais barato

Mais pessoas terão um computador em casa. Pelo menos é essa a intenção do governo federal. Uma das medidas anunciadas nesta semana, como parte do PAC, Plano de Aceleração do Crescimento, foi a ampliação para R$ 4 mil do limite de isenção de impostos para a compra de laptops e desktops. Atualmente, para não ser preciso pagar o PIS e a Cofins, as máquinas devem custar no máximo R$ 3 mil e R$ 2,5 mil, respectivamente. Pelas contas do governo, a elevação do limite de isenção dos impostos representa uma renúncia fiscal de R$ 200 milhões. Segundo o diretor de pesquisas da IT Data, Ivair Rodrigues, os computadores devem ficar entre 10% e 12% mais baratos. Assim, uma máquina que hoje custa R$ 4 mil passará a valer de R$ 3.600 até R$ 3.520. A estimativa da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), entretanto, não é tão otimista. A entidade aposta em uma redução de 9,25% - que fará com que o preço fique em R$ 3.630. De acordo com analistas, esta isenção tem sido positiva para o setor. A IT Data divulga que no ano passado foram registradas vendas de cerca de 8 milhões de computadores no Brasil ante 5,6 milhões em 2005. A redução da carga tributária sobre o setor também gerou um crescimento na base de internautas do País. "De um lado o governo perde PIS e Cofins, mas de outro ganha com a arrecadação de impostos que incidem em toda a cadeia", disse Rodrigues.

Agencia Estado,

23 Janeiro 2007 | 11h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.