1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine


Confronto na UFSC causa atritos entre reitoria e PF

TOMAS PETERSEN, ESPECIAL PARA O ESTADO - Agência Estado

27 Março 2014 | 19h 41

O confronto entre policiais e estudantes no campus da UFSC causou atritos nas relações institucionais entre a reitoria da Universidade e a Polícia Federal. Ainda na noite de terça-feira, 25, o delegado responsável pela operação, Paulo César Barcellos Cassiano Júnior, fez declarações à imprensa local sobre a nota de repúdio emitida pela reitora Roselane Neckel. "Não vou permitir que a reitora transforme a UFSC em uma república de maconheiros", afirmou em diversas entrevistas, ressaltando que a operação tinha aval da Universidade.

Segundo a nota de repúdio à ação das polícias Federal e Militar divulgada pela UFSC, a PF teria desrespeitado um acordo ao não comunicar a Universidade previamente quando fossem realizadas operações no campus. Mas na quarta-feira, 26 a PF divulgou um documento, datado em agosto de 2013 e assinado também pela UFSC, que autorizaria a presença de policias em operações de investigação ao tráfico de drogas no campus. A partir desta quinta-feira, 27, a Superintendência Regional da Polícia Federal em Santa Catarina instruiu todos seus agentes a não comentarem mais o episódio, deixando a comunicação sob responsabilidade da sede em Brasília.

Ocupação.

Após o confronto, centenas de estudantes invadiram o prédio 1 da reitoria da UFSC sob protesto. Após a liberação dos detidos consequente assinatura de termo circunstanciado, o movimento atribuiu uma condição para a desocupação do espaço: a assinatura de um documento pela reitora que proíba a atuação da PM dentro do campus.

No final da tarde de quarta-feira, uma audiência pública foi realizada no auditório da UFSC para discutir a questão. A imprensa foi impedida por integrantes de movimentos estudantis de acompanhar a reunião no local. Terminada a audiência, a reitora Roselane Neckel entregou um termo de compromisso com sete itens: solicitar ao Ministério Público estadual que se reafirme, nos direitos constitucionais da UFSC, que se reafirme a norma de que nenhuma operação policial deve ser realizada no campus sem autorização prévia da reitoria; tomar medidas administrativas e legais para apurar as responsabilidades dos envolvidos no episódio; encaminhar relatório ao Ministério da Educação, Ministério da Justiça e Secretaria de Direitos Humanos sobre os excessos cometidos; estabelecer um calendário para a discussão de políticas de segurança com a comunidade universitária; executar um projeto de iluminação do campus; defender os direitos da UFSC e de seus alunos; e reafirmar a autonomia universitária.