Coréia do Sul quer limitar conta de jovens com celular

A Coréia do Sul está tentando impedir que os adolescentes do país continuem gerando enormes contas de serviços de telefonia celular por meio de novas regras que permitem aos pais maior controle sobre o tempo de uso dos aparelhos. Irritação com conta de telefone é algo comum na Coréia do Sul, onde dados de operadoras celulares mostram que quatro em cada cinco pessoas têm um aparelho e que pelo menos seis em cada dez crianças em idade escolar também o utilizam. Um representante do Ministério das Telecomunicações do país informou na sexta-feira que a partir de janeiro, as crianças precisarão de autorização dos pais para continuarem falando além de um certo limite pré-definido, que pode ser de até 30 mil wons (US$ 32,57) por mês. Os pais também receberão informações detalhadas sobre os tipos de serviços que seus filhos poderão assinar. Atualmente, os pais podem definir um limite sobre quanto tempo seus filhos podem ficar falando no telefone, mas tudo o que as crianças precisam fazer para burlar a restrição é pedir para a operadora aumentar o limite. Em fevereiro, um adolescente da Coréia do Sul se matou depois de receber uma conta de celular no valor de 3,7 milhões wons (4.017 mil dólares) "O ministério espera que tais regras previnam os adolescentes de cometerem muitos erros na utilização de seus celulares, o que pode acabar gerando contas elevadas", disse o ministério em comunicado. Cho Jin-kyung afirma que espera que as novas regras impeçam sua filha de passar mais tempo no celular do que com livros. "A conta de telefone da minha filha sempre me dá dor de cabeça", disse Cho. "Eu reclamo com ela toda a vez e ameaço reduzir a mesada dela, mas isso nunca funciona."

Agencia Estado,

15 Dezembro 2006 | 14h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.