Criminosos da internet ampliarão "ciberguerra" em 2007

Hackers abrirão uma nova frente na multimilionária "ciberguerra", em 2007, tomando por alvo celulares, serviços de mensagens instantâneas e sites comunitários como o MySpace, afirmam especialistas em segurança. À medida que as pessoas se tornam mais cautelosas com golpes via e-mail, as quadrilhas de criminosos encontram novas maneiras de cometer fraudes online, vender produtos falsificados ou roubar segredos de empresas. "Os ataques estão se tornando mais sofisticados", disse Dave Rand, da Trend Micro, uma empresa de segurança na Internet. "O objetivo é essencialmente ganhar dinheiro. E eles vêm ganhando muito", disse ele à Reuters. Em 2007, os hackers terão como alvo sites de redes sociais como o MySpace e Orkut para obterem informações que permitam ataques mais precisos aos computadores das vítimas. "Trata-se definitivamente uma área que está madura para ser mais explorada pelo chamado malware (software maligno)", disse Ed English, vice-presidente de tecnologia de combate a spyware na TrendMicro. As pessoas podem ter seus computadores infectados por vírus que registram tudo que elas escrevem, ou enviam milhões de mensagens spam. Os fraudadores que se especializam em roubar identidades percorrerão sites que permitem que pessoas deixem suas fotos e dados pessoais, e localizarão alvos para ataques de "phishing" - tática que consiste no envio de e-mails fraudulentos cujo objetivo é iludir as pessoas e fazer com que revelem números de cartões de crédito e senhas de banco. "É fácil demais para os criadores de spyware montar o quebra-cabeça da identidade de uma pessoa", disse English. Os hackers também mirarão contra pessoas que usam serviços de mensagens instantâneas ou façam telefonemas via Internet, em 2007, de acordo com a TrendMicro. Os poderosos celulares e computadores portáteis novos serão igualmente alvos de tentativas dos ladrões para escapar aos sistemas de segurança rígidos e roubar mensagens de e-mail, documentos ou listas de contatos, de acordo com a produtora de software de segurança McAfee.

Agencia Estado,

11 Dezembro 2006 | 14h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.