Crise financeira afeta réveillon no Rio

O réveillon carioca sente os reflexos da crise financeira internacional. Com menos turistas estrangeiros nos hotéis e cancelamento de shows em Ipanema e Flamengo, o evento de Copacabana, cujo orçamento teve corte, enfrenta o desafio de manter o glamour de edições passadas que deram à cidade a fama de promover a maior festa do País. Para piorar, o tempo não ajuda e há ainda a previsão de chuva para a hora da virada. Desentendimentos entre autoridades municipais e estaduais afetaram a festa. A Polícia Militar alegou não ter como manter a segurança além de Copacabana. Patrocinadores avisaram em novembro que não investiriam no réveillon. A verba para os fogos caiu de R$ 1,7 milhão para R$ 1,5 milhão, mas a quantidade de explosivos (24 toneladas) foi mantida. ?Eles diversificaram os fornecedores para baratear a importação, mas as bombas têm a mesma qualidade?, disse Rubem Medina, presidente da Riotur. Nos hotéis, a taxa de ocupação caiu dez pontos porcentuais em relação ao ano passado. Em 2007, apenas 2% dos leitos estavam vagos. Neste ano, a expectativa é alcançar 88% de ocupação - as reservas estavam em 82% na semana passada. ?Há uma crise internacional e houve uma inversão no perfil do turista. No ano passado, 70% eram estrangeiros. Agora, esperamos 70% de turistas vindos de outros Estados do Brasil?, disse Alfredo Lopes, presidente da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

30 Dezembro 2008 | 09h49

Mais conteúdo sobre:
réveillon Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.