De lenda a isca de bagre, o drama do boto

Matança de espécie-símbolo da Amazônia, cuja carne é usada para atrair peixe apreciado na Colômbia, coloca golfinho em risco de extinção

GIOVANA GIRARDI, O Estado de S.Paulo

13 Maio 2012 | 03h07

Uma das espécies-símbolo da Amazônia, o boto-vermelho - ou boto-cor-de-rosa - está sendo sistematicamente morto por pescadores da região para ser transformado em isca para a pesca de um tipo de peixe muito apreciado na Colômbia. A matança vem diminuindo tanto as populações do mamífero que já coloca a espécie em risco de extinção.

Dois estudos conduzidos de modo independente em localidades diferentes na Amazônia dão uma ideia do problema e permitem fazer uma estimativa de sua abrangência. Um deles, realizado no entorno da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) de Mamirauá, a 600 km de Manaus (AM), calculou que ali ocorre uma redução de 10% ao ano no total de animais.

O outro, conduzido em comunidades de pescadores na região de Santarém (PA), previu que até 2060, se o ritmo da matança continuar, a espécie poderá estar em vias de extinção.

Os primeiros relatos científicos desse tipo de morte datam do final dos anos 1990, mas a situação se agravou nos últimos anos. O principal motivo, acreditam os pesquisadores, foi o apetite colombiano por uma espécie de bagre conhecida como mota por lá e piracatinga, por aqui.

Mais recentemente, esse peixe, por semelhança de sabor e textura, apareceu como substituto de outro - o capaz -, que habitava o Rio Madalena, mas foi consumido até seu esgotamento.

Os pesquisadores estimam que milhares de toneladas do peixe sejam pescadas por ano. Faltam, porém, estudos com o animal, seus hábitos, possíveis iscas alternativas, ou mesmo quanto ele poderia ser pescado por ano.

"Não duvidamos que ele possa entrar em colapso de tanto que é pescado", afirma a bióloga Vera Silva, do Laboratório de Mamíferos Aquáticos do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), que coordena os trabalhos em Mamirauá.

Ela, no entanto, está preocupada com o boto - espécie protegida por lei que teria de ser preservada. "Ele foi sempre muito abundante na região, porque tinha uma distribuição ampla e ninguém mexia muito com ele porque não tinha valor, não era visto como recurso direto. Só aconteciam mortes acidentais ou por conta das lendas em torno do animal (mais informações nesta página)," conta.

Urubu d'água. A situação mudou quando se percebeu que ele poderia servir como uma excelente isca para a tão desejada piracatinga. No Brasil, o peixe nunca havia despertado muita atenção justamente porque tem uma característica não muito bem-vista por ribeirinhos - ele gosta de carne morta, daí ter ganhado o apelido "urubu d'água". No princípio, carne de jacaré era usada como isca. Mas, com cheiro bem mais forte, o boto se mostrou sua iguaria favorita.

O problema é que esse mamífero aquático não se reproduz a uma taxa rápida o suficiente para atender à demanda, explica Vera. O animal demora a atingir a maturidade sexual (fêmeas a partir dos 7 anos e machos a partir dos 10), tem baixa taxa reprodutiva, a gestação dura quase um ano e a fêmea amamenta o filhote por dois anos ou mais, o que faz com o que intervalo entre filhotes seja de cerca de três anos.

"Quando a retirada é maior que a reposição e os animais mais afetados são aqueles que ainda não se reproduziram ou são fêmeas com filhote, o impacto é muito maior", diz.

Segundo levantamento publicado em 2010, compilando trabalhos de vários pesquisadores e organizações em defesa do animal (o Plano de Ação para Golfinhos de Rio da América do Sul), a matança ocorre de Manaus a Tabatinga, ao longo de toda a calha do Rio Solimões, e no entorno de Santarém.

Foi na região do oeste do Pará - onde a equipe do biólogo português Miguel Migueis, da Universidade Federal do Oeste do Pará, vem trabalhando com comunidades de pescadores em dez municípios próximos a Santarém - que foi feita a estimativa de que os botos estão em rota de extinção caso nada seja feito.

Cálculo feito em uma comunidade que tem dez matadores de boto estimou que cerca de 7,2 mil animais são mortos por ano. "Isso em só um lugar. Não sabemos em quantos ocorrem, mas já constatamos a prática em pelo menos 16 comunidades. Para toda a Bacia Amazônica deve ser uma coisa brutal", afirma.

O negócio é lucrativo. Um boto inteiro é negociado entre R$ 50 e R$ 100. Um quilo de isca costuma pegar a mesma quantidade de peixe, mas há quem consiga até 4 quilos. E, recentemente, ele já começa a ser encontrado em mercados de Manaus, com o nome de douradinha. O quilo da piracatinga fica entre R$ 0,80 e R$ 1,20 e é vendido no mercado por até R$ 14.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.