Detentos mantêm reféns 15 visitantes em prisão na Bahia

Rebelados interromperam negociações, que duram quase 24 h, com diretoria do presídio de Vitória da Conquista

Tiago Décimo, O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2008 | 11h28

Os 247 detentos do Presídio Regional Nilton Gonçalves, de Vitória da Conquista (BA), a 509 quilômetros a sudoeste de Salvador, rebelados desde as 15 horas de quinta resolveram interromper as negociações com a diretoria da unidade, na manhã desta sexta-feira, 19.    Os amotinados, que mantêm 15 familiares de presos como reféns - entre eles pelo menos três crianças e uma mulher grávida -, reivindicam o retorno de dez lideranças transferidas, na semana passada, para o Distrito Integrado de Segurança Pública (Disep), no mesmo município, e a manutenção da ala feminina do presídio, que abriga 28 detentas e seria desativada nas próximas semanas. Eles cobram a presença do superintendente de assuntos penais, coronel José Francisco Leite, para a retomada das negociações.   De acordo com a direção do presídio, apesar de o fornecimento de alimentos estar suspenso desde a noite de ontem na unidade, que tem capacidade para 143 presos, a manifestação dos internos "está controlada". Não há informações sobre feridos, mas sabe-se que alguns detentos portam facas improvisadas e telefones celulares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.