1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine


Dilma defende gastos com Mundial e garante que contas serão analisadas

REUTERS

10 Junho 2014 | 21h 33

A presidente Dilma Rousseff fez nesta terça-feira uma defesa dos gastos governamentais para a realização da Copa do Mundo e garantiu que as contas do Mundial serão "minuciosamente" analisadas pelos órgãos de controle.

Em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, a presidente disse ainda que o país superou os obstáculos e está preparado para sediar o Mundial.

"Para qualquer país, organizar uma Copa é como disputar uma partida suada - e muitas vezes sofrida. Com direito a prorrogação e disputa nos pênaltis. Mas o resultado e a celebração final valem o esforço", disse a presidente.

"O Brasil venceu os principais obstáculos e está preparado para a Copa, dentro e fora do campo", afirmou, antes de acrescentar que os brasileiros precisam ter uma "noção correta de tudo o que aconteceu".

Os preparativos do Brasil para a Copa do Mundo tiveram uma série de problemas. Dos 12 estádios, apenas dois ficaram prontos no prazo determinado pela Fifa, e a maioria das obras de infraestura atrasou, sendo que algumas delas foram abandonadas.

O Mundial tem sido alvo de protestos desde o ano passado, com manifestantes reclamando dos custos com o torneio e pedindo melhorias nos serviços públicos, como saúde, educação, transporte e segurança.

No pronunciamento, a presidente classificou de "falso dilema" a ideia de que os recursos gastos com a realização da Copa deveriam ser aplicados em saúde e educação.

Segundo Dilma, foram gastos 8 bilhões de reais em estádios --incluindo recursos de financiamento de bancos públicos, de governos e de empresas privadas.

"Desde 2010, quando começaram as obras dos estádios, até 2013, o governo federal, os Estados e municípios investiram cerca de 1,7 trilhão de reais em educação e saúde. Repito, 1,7 trilhão de reais", comparou.

"Ou seja, no mesmo período, o valor investido em educação e saúde no Brasil é 212 vezes maior que o valor investido nos estádios."

A presidente voltou a aproveitar um discurso em cadeia nacional para criticar os pessimistas, e afirmou que eles já começam o Mundial perdendo.

Dilma garantiu que não faltará luz durante a Copa e nem depois do torneio e assegurou que eventuais atos de corrupção em obras para o evento serão punidos.

"A Copa não representa apenas gastos, ela traz também receitas para o país. É fator de desenvolvimento econômico e social", disse.

"De uma coisa não tenham dúvida: as contas da Copa estão sendo analisadas, minuciosamente, pelos órgãos de fiscalização. Se ficar provada qualquer irregularidade, os responsáveis serão punidos com o máximo rigor."

Dilma encerrou seu pronunciamento exaltando a seleção brasileira, que afirmou representar a "nacionalidade" do país, e disse que os atletas "merecem que um dos legados desta Copa seja, também, a modernização da nossa estrutura do futebol e das relações que regem nosso esporte".

"O Brasil precisa retribuir a vocês, e a todos os desportistas, tudo o que vocês têm feito por nosso povo e por nosso país. O povo brasileiro ama e confia em sua seleção. Estamos todos juntos para o que der e vier."

(Reportagem de Eduardo Simões)