Dilma lamente morte de jurista e político gaúcho Paulo Brossard

A presidente da República, Dilma Rousseff, lamentou neste domingo a morte do jurista e político gaúcho Paulo Brossard, ressaltando seu papel na defesa da democracia e contra a ditadura militar.

REUTERS

12 Abril 2015 | 14h44

Brossard foi deputado estadual e federal, senador e ministro da Justiça, além de ministro do Supremo Tribunal Federal.

“É com tristeza que recebo a notícia da morte do jurista Paulo Brossard, homem de fortes convicções democráticas, que se tornou uma referência política na luta contra a ditadura", disse a presidente em nota. "O país perde um grande brasileiro."

Paulo Brossard morreu neste domingo aos 90 anos de idade, em Porto Alegre. Nascido em Bagé (RS), Brossard iniciou a sua vida política como deputado estadual pelo Partido Libertador na década de 1950. Após o golpe militar de 1964, se filiou ao MDB e foi eleito deputado federal em 1966. Em 1974 foi eleito pela primeira vez senador. Foi ministro da Justiça no governo Sarney e em 1989 assumiu uma vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal, onde permaneceu até se aposentar em 1994.

(Por Raquel Stenzel)

Mais conteúdo sobre:
POLITICA DILMA BROSSARD*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.