Do tirashi de Bangcoc à fome na Somália

No oceano infindo da internet, o gastrônomo, gourmet ou glutão que mergulhar um pouco mais fundo vai achar ferramentas, aplicativos e sites que podem saciar um pouco da sua fome de fotografia de comida.

/J.O. , O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2012 | 03h11

Desde 2010, há uma rede social só para eles: o Foodspotting. É uma espécie de Instagram especializado, em que o usuário tira fotos dos pratos de que mais gosta e publica com sua avaliação na rede. Os dados de todos que colaboram vão sendo compilados e mapeados. Bateu uma vontade de um macarrão à carbonara? É só entrar no aplicativo que ele diz onde estão os mais próximos, com fotos tiradas por quem de fato foi a esses lugares acrescidas de suas impressões pessoais sobre o que comeu. Na terça-feira, um tirashi don servido em um restaurante em Bangcoc, na Tailândia, foi o prato de número 2,5 milhões na rede do Foodspotting.

Para quem quiser ficar só no Instagram, e quem sabe, beliscar um prêmio, existe o Instafood. O projeto brasileiro, do grupo do site Destemperados e do grupo Marketing na Cozinha, foi ao ar em julho do ano passado. Uma missão fotográfica é dada, como, por exemplo, fazer imagens de cerveja. As melhores fotos são pré-selecionadas e vão a votação entre internautas no Facebook e no próprio Instagram. A mais votada ganha um prêmio, que normalmente é oferecido por um patrocinador - crédito em restaurantes, utensílios de cozinha e produtos gastronômicos já foram entregues. Até hoje, já são 32 missões e inacreditáveis 2 milhões de fotos com a hashtag #instafood na rede.

Mas se bater o peso na consciência da opulência e fartura da comilança na web, já tem quem ofereça um alívio - só que apenas em Boston, nos Estados Unidos. Lá, uma agência de publicidade fez parceria com a Unicef e lançou a ideia do Good Belly Project: para cada foto tirada de um prato dos 20 restaurantes da cidade cadastrados, um dólar é doado para ajudar a combater a fome e preencher as barrigas vazias no leste da África. O restaurante é que faz a doação, já que tem a publicidade dos seus pratos garantida por quem posta a foto nas redes sociais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.