Dois genes aumentam risco de esclerose em 30%, dizem cientistas

Cientistas anunciaram descoberta inédita em mais de 20 anos.

BBC Brasil, BBC

29 Julho 2007 | 20h34

Um grupo de cientistas que estudam o genoma humano anunciou ter descoberto dois genes que aumentariam em 30% a possibilidade de a pessoa que os possui desenvolver esclerose múltipla. Segundo a equipe de pesquisadores dos Estados Unidos e da Europa, esses são os primeiros genes ligados de forma conclusiva à doença em mais de 20 anos. Para chegar à descoberta, os cientistas compararam mais de 20 mil amostras de DNA de pessoas com e sem a doença. Acredita-se que a descoberta possa ser vital no desenvolvimento de tratamentos que evitam o surgimento da doença ou impedem o seu avanço. Mais de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de esclerose múltipla, uma doença neurológica crônica que destrói uma camada que recobre e isola as fibras nervosas do sistema nervoso central. Quando isso acontece, os sinais nervosos que passam por essas células ficam mais lentos ou não podem ser transmitidos, e os pacientes enfrentam dificuldade em coordenar seus movimentos. A descoberta dos dois genes foi divulgada em um artigo na revista especializada New England Journal of Medicine. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
esclerose, sol, genes, genetica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.