1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine


Droga de efeito devastador alarma médicos nos EUA

Denise Chrispim Marin - O Estado de S.Paulo

19 Julho 2011 | 00h 00

Conhecida como ''sais de banho'', mistura de substâncias desencadeia crises paranoicas e psicóticas, além de pressão alta

WASHINGTON - Com o singelo rótulo de "sais de banho", uma droga devastadora, que entrou nos Estados Unidos há cerca de um ano, disseminou-se e agora alarma médicos por causa de seus efeitos psicóticos e paranoicos. Trata-se de uma mistura de substâncias jamais testada em humanos, cuja fórmula foi banida em 28 dos 51 Estados americanos, mas ainda não tem veto do governo federal.

Veja também:

link No Brasil, substância é chamada de ''miau-miau'' e vendida online

Em 2010, a Associação Americana de Centros de Controle de Envenenamento (AAPCC, em inglês) registrou 303 pessoas atendidas em hospitais por contaminação pela droga. Esse total subiu para 3.470 no primeiro semestre deste ano.

"Se você misturar todos os piores efeitos da cocaína, do LSD, do PCP e do ecstasy terá um resultado comparável ao dos sais de banho", descreveu Mark Ryan, PhD em Farmácia e diretor do Centro de Envenenamento de Louisiana, ao Estado.

Em geral, a droga é fabricada com base em duas substâncias: a metilenodioxipirovalerona (MDPV) e a mefedrona. A primeira é uma substituta química da catinona, composto estimulante do khat, uma planta do norte da África cuja venda é ilegal nos EUA, mas usada em vários países como base de defensivos agrícolas ou repelente de insetos.

Apesar das proibições nos 28 Estados, o acesso à droga é fácil no país. Pode ser encontrada na internet, em lojas de conveniência e até entre os verdadeiros sais de banho, com sugestivos nomes: Pomba Vermelha, Seda Azul, Zoom, Nuvem Nove, Neve Oceânica, Onda Lunar, Céu de Baunilha e Furacão Charlie.

Mas seus preços os diferem dos sais despejados nas banheiras. Um pacote de 50 mg custa, em média, US$ 30 (R$ 47,40), mas pode chegar a US$ 100 (R$ 158). Segundo Ryan, 51% dos casos de contaminação por essa droga foram reportados na Louisiana. Porém, há registros preocupantes em todo o país. O Centro Regional de Envenenamento de Kentucky, por exemplo, anotou casos de pacientes "completamente fora da realidade" internados em hospitais depois do uso dos sais de banho.

Usuários têm sido levados aos prontos-socorros por comportamento violento, pressão sanguínea elevada, alucinações e crises paranoicas. Geralmente, são internados no setor psiquiátrico.

Fabricação. A droga é fabricada nos EUA com base em substâncias importadas de países como a China e a Índia. A agência antidrogas americana (DEA) baniu temporariamente cinco substâncias usadas na fabricação de maconha sintética enquanto não há uma lei definitiva.

Um senador da Pensilvânia pediu à DEA iniciativa similar para os produtos químicos dos sais de banho, mas não obteve resposta ainda. Outro, de Nova York, apresentou um projeto em fevereiro para classificar os sais de banho como droga de maior controle, ao lado da cocaína.

No continente europeu, a droga foi banida há cinco anos.

  • Tags: