1. Usuário
Paladar
Assine o Estadão
assine

Em busca de jabuticabeiras na Ceagesp

Nana Tucci

14 Outubro 2011 | 18h 08

Uma jabuticabeira demora ao menos dez anos para encher os troncos de pintas pretas. Tenho alguém que testemunhou isso morando comigo - ainda assim, quero arriscar. Chego à Ceagesp às 5h30 e o vendedor me avisa que se eu levar para casa uma sabará, quem vai comer jabuticaba são meus netos (soa doce, plantar para os netos). Quanto? "Sabará custa em média R$ 3 mil, mas tem a híbrida a partir de R$ 100", diz José Lucas Fonseca, dono da Flora S. Lucas, em Suzano, a 50 km de São Paulo. A híbrida não é um enxerto, é uma variedade obtida a partir da sabará - só que ele não sabe qual o cruzamento. Assim como Lucas, a maioria dos produtores tem seus caminhões cheios de jabuticabeiras híbridas. Além do preço dez vezes menor, ela leva a metade do tempo para frutificar, cerca de 5 anos.

Tanto faz a variedade, você encontra ambas "produzindo". Danilo da Rocha, da Viveiro Rosário, em Rosário do Ivaí, no Paraná, vende uma híbrida média (1,20 m), produzindo, por R$ 50. Se escolher a certa, você compra, planta e colhe, no mesmo dia, 4 kg de jabuticaba. A híbrida produz o ano todo, exceto no inverno. Uma sabará de 2 m, produzindo, custa R$ 500. Tem diferença de sabor? "As duas são doces, mas é como comer brigadeiro e beijinho", diz Danilo. Ser híbrida ou não, quem sabará? Naquele dia minha maior preocupação era desviar dos fiscais, me perseguindo de moto mandando pedir autorização para fazer a reportagem.

Feira de Flores do Ceagesp: Terças e sextas, 5h/10h30 (Av. Doutor Gastão Vidigal, 1.946, 3643-3700).