André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Em vídeo, Marun critica inclusão de Temer em inquérito que apura propina da Odebrecht

Segundo delatores, negócio foi fechado quando o peemedebista ainda era vice-presidente

Lu Aiko Otta, O Estado de S. Paulo

03 Março 2018 | 21h36

BRASÍLIA - Em vídeo divulgado hoje, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, criticou a inclusão do presidente Michel Temer no inquérito que apura um suposto pagamento de propina de R$ 10 milhões pela Odebrecht para o PMDB. Segundo delatores, o negócio teria sido acertado no Palácio do Jaburu, quando Temer era vice-presidente. Estavam no mesmo encontro os atuais ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha e da Secretaria-Geral, Moreira Franco.

“O constituinte foi claro ao estabelecer, na nossa Constituição, que o Presidente da República não pode ser investigado por questões eventualmente acontecidas anteriormente ao início de seu mandato”, afirmou Marun. “O presidente pode sim  ser acusado, investigado, processado. Mas, se forem questões externas ao mandato, somente após o encerramento do mesmo.”

Essa cautela, acrescentou, foi tomada para “não permitir que questões menores ou acusações mal intencionadas pudessem prejudicar o normal funcionamento das instituições.” Ele atacou a inclusão de Temer no processo, dizendo que se baseou em “interpretações criativas”, que “vilipendiam e alteram” o sentido da Constituição.

“Penso  que decisões como essas, de inclusão do presidente Temer num inquérito por fato eventualmente acontecido anteriormente ao seu mandato, se constituam em flechas que tentam nos atingir nesse momento sublime em que finalmente superamos a recessão e conseguimos fazer com que o País voltasse a crescer.”

+ Meirelles pode virar vice da chapa de Alckmin

O ministro relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, incluiu Temer no rol de investigados nesse processo a pedido da Procuradoria-Geral da República. Em julho do ano passado, pouco antes de passar o posto para a atual ocupante, Raquel Dodge, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que não diminuiria o ritmo das investigações por estar em final de mandato. “Enquanto houver bambu, lá vai flecha”, disse. Janot denunciou Temer por corrupção passiva no caso JBS.

+ Rejeição impede eleição de Alckmin, diz Maia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.