Enclave secreto

Vinhos galegos que não são Albariños, sendo um deles tinto de lugar difícil de encontrar no mapa

Luiz Horta, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2010 | 01h09

Conheço bem Telmo Rodríguez, o produtor viajante espanhol que roda seu país procurando vinhedos esquecidos, recuperando estilos e atrevendo experiências.

Como só viaja de carro e não tem nada a ver com os consultores que atuam pelo mundo, pejorativamente chamados de flying winemakers, inventou para si o título "driving winemaker". Pois esse viajandão me pegou de surpresa com estes dois vinhos, um tinto de Mencía e um branco de Godello, chamados Gaba do Xil.

Numa prova de grandes tintos espanhóis, em que o Mencía entrou quase de gaiato enfrentando Prioratos, Riberas del Duero e Toros, fui conquistado pela fruta exuberante, facilidade de beber e tom amigável do líquido tinto. Um vinho fácil, direto, gostoso.

Como o rótulo não me dizia nada, fui ver do que se tratava. Uva Mencía, denominação de origem Valdeorras. Como? Mencía é a casta emblema do Bierzo, Valdeorras, quase desconhecida, fica na Galícia. Nada fazia muito sentido. Conhecemos a Galícia pelos Albariños, nunca por um tinto.

O Atlas Mundial do Vinho deu a pista. Valdeorras está na fronteira entre Bierzo e a Ribeira Sacra, onde a variedade autóctone Godello ressurge com destaque. O outro vinho Gaba do Xil é o branco dessa uva. A trama deixou de se adensar. Tudo fez sentido.

Telmo Rodríguez, que reassumiu a vinícola familiar, a notável Granja Nuestra Señora de Remelluri, na Rioja Alavesa, descobriu os solos montanhosos e graníticos, o clima sob forte influência marinha e completou seu mapa espanhol. Numa recente conversa, ele me disse que sua busca é pela fluidez e facilidade de beber dos vinhos, e não por grandes complexidades e dificuldade. Os dois vinhos de Valdeorras, em especial o tinto, funcionam como bem-sucedida defesa dessa tese. C

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.