1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Especialista vê problema de gestão no Sistema Cantareira

GABRIELA VIEIRA - Agência Estado

19 Março 2014 | 17h 13

A atual crise hídrica do Sistema Cantareira, cujo nível dos reservatórios bateu novo recorde negativo de capacidade nesta quarta-feira, 19, caindo para apenas 14,7%, é resultado de um problema de planejamento, avalia Albano Araújo, coordenador de Conservação de Água Doce da The Natural Conservancy, organização mundial de preservação ambiental. "Não foi São Pedro, a falta de água no Sistema Cantareira é um problema de gestão", afirmou o especialista durante o Fórum Água, promovido pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), em São Paulo.

À reportagem, Araújo explicou que a falta de planejamento - da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e do governo estadual - é antiga. "Documentos de 15, 10 anos atrás, como a própria outorga do Sistema Cantareira (de 2004), já previam que a demanda por água em São Paulo seria maior que a capacidade do manancial". Hoje, o Cantareira é a principal fonte de abastecimento da Grande São Paulo, correspondendo a 47% do atendimento na região.

Ao contrário do que argumenta a concessionária, o especialista afirmou que a atual situação de escassez, mesmo que atípica, deveria constar no planejamento de utilização dos recursos hídricos do sistema. Araújo apontou ainda uma série de medidas que deveriam ter sido implementadas para garantir a sustentabilidade do abastecimento de água na região. Tratamento da totalidade do esgoto, captação de água das chuvas na capital paulista e despoluição dos rios da região metropolitana estão entre as alternativas apresentadas.

Já a medida proposta nesta terça-feira ao governo federal pelo governador Geraldo Alckmin e pela diretora presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Dilma Pena, para a construção de um novo canal de 15 km que interligará o Sistema Cantareira à Represa de Igaratá, no Vale do Paraíba, não resolve o problema da sustentabilidade do abastecimento, avalia Araújo. "Você reduz o comprometimento de uma bacia e aumenta o da outra", resumiu o especialista.

Segundo ele, a transposição apenas reproduziria o impasse já existente hoje entre a Sabesp e o consórcio da Bacia dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), que abastece as cidades da região de Campinas também a partir do Cantareira.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo