1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Especialistas em segurança pública divergem sobre avanço de UPPs

Marcelo Gomes - Agência Estado

12 Março 2014 | 18h 33

Unidades de Polícia Pacificadora enfrentam a pior crise desde o ínício do projeto, em 2008. Em pouco mais de um mês, três PMs foram assassinados nos complexos do Alemão e da Penha

RIO - Especialistas em segurança pública divergem sobre a decisão da Secretaria de Segurança do Rio de avançar com o programa de pacificação de favelas no momento em que várias Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) enfrentam a pior crise desde o ínício do projeto, em 2008. Em pouco mais de um mês, três policiais militares em serviço foram assassinados nos complexos do Alemão e da Penha, na zona norte do Rio. Tiroteios também têm sido constantes em outras comunidades, como a Rocinha, o Pavão-Pavãozinho (zona sul) e o São Carlos (região central), entre outras.

Para o doutor em Sociologia Ignácio Cano, os recentes ataques a UPPs mostram que é preciso reavaliar e corrigir o projeto. Entretanto, essa mudança de rota não é incompatível com a expansão das unidades para outras favelas. "Entendo o ponto de vista de quem questiona se este seria o melhor momento de se implantar mais uma UPP. Mas não concordo. Acho que as duas coisas podem e devem ser feitas ao mesmo tempo. Depois de fechar o cinturão de segurança da zona sul, a área mais nobre da cidade, finalmente as UPPs estão chegando em comunidades mais violentas. Quem mora nesses locais não pode mais esperar", disse Cano, que é coordenador do Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

O sociólogo destacou que, mais uma vez, a esperada pacificação do Complexo da Maré (zona norte) ficou para trás. "De forma geral, os problemas das UPPs não são de efetivo. A única em que talvez seja necessário um reforço é o Alemão. O que falta é melhorar a interlocução da polícia com a comunidade. As UPPs precisam ganhar a legitimidade da população. Mas não vejo uma política clara de reforma nesse sentido". A pacificação do Complexo da Maré é considerada estratégica porque é rota obrigatória de quem chega ao Rio pelo Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador (zona norte), e precisa se deslocar para o centro ou a zona sul.

Por outro lado, na opinião do antropólogo Paulo Storani, o governo deveria primeiro reestruturar o projeto antes de ampliá-lo. "Não se pode estender um modelo que está em crise. Senão você aumenta a crise", avalia Storani, pesquisador da Universidade Cândido Mendes e ex-capitão do Bope.

Para o ex-oficial, o que falta nas comunidades pacificadas é a chegada de projetos sociais do Estado e da Prefeitura. "Ocupação policial é uma coisa. Pacificação é outra. Não basta só a ocupação policial. Ela deve servir de porta para a entrada de outros setores do Estado, como educação, cultura, saúde, lazer. Isso até foi prometido no início das UPPs, mas ficou só no discurso. A presença da polícia teve bons efeitos no curto prazo, mas agora estamos assistindo o ocaso do projeto. É notório que o programa tem que ser revisto. É preciso que os jovens dessas favelas não enxerguem o tráfico como uma oportunidade de emprego".

Violência. Na noite de terça-feira, 11, moradores do Alemão realizaram um protesto contra a prisão, no dia anterior, de dois acusados de participação nos ataques à UPP Nova Brasília e à 45.ª Delegacia de Polícia (Alemão), em janeiro. A manifestação terminou em confusão e tiroteio. Duas pessoas foram baleadas. A Estrada do Itararé, que corta as favelas da região, chegou a ser interditada por barricadas. O teleférico do Alemão teve a circulação suspensa por medida de segurança. A polícia precisou utilizar bombas de gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. Até a manhã desta quarta-feira, 12, o policiamento havia sido reforçado com homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope), tropa de elite da PM, e do Batalhão de Choque.

Apesar do recrudescimento de episódios de violência em favelas pacificadas, policiais militares do Bope e do 14.º Batalhão (Bangu) entrarão, na madrugada desta quinta-feira, 13, na Vila Kennedy e na vizinha Favela da Metral, em Bangu (zona oeste), para dar início à implantação da 38.ª UPP do Estado - a 37.ª da capital.

Nos primeiros dias de ocupação permanente, os policiais vão vasculhar a região à procura de traficantes, armas e drogas. Dessa vez, a operação não contará com o apoio de blindados da Marinha. A nova UPP deverá ser inaugurada na segunda-feira, e contará com efetivo de 250 policiais.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo