Estudante flagra CIA, Vaticano e Wal-Mart por trás da Wikipedia

Software desenvolvido nos Estados Unidos desmascara alterações interesseiras na enciclopédia online

Lucas Pretti, do estadao.com.br,

15 Agosto 2007 | 17h35

Um novo site construído por um estudante de tecnologia norte-americano desmascarou as técnicas utilizadas por grandes corporações para melhorar suas imagens públicas em verbetes da Wikipedia, a enciclopédia online famosa por qualquer um poder editar. A informação é do Times Online.   Veja também:  Wikipedia mostra onde já corrigiu a Encyclopaedia Britannica  Buscador da Wikipedia competirá com Google   O WikiScanner, desenvolvido por Virgil Griffith, um pesquisador do Califórnia Institute of Technology, revela as alterações feitas na enciclopédia online pelo rastreamento dos computadores de onde vieram os posts. O software busca o endereço de IP das máquinas.   Griffith, de 24 anos, criou o site para "piorar as relações públicas de companhias e organizações de que eu não gosto" - um objetivo que ele certamente já alcançou.   Entre as empresas que alteraram os próprios verbetes estão Wal-Mart, a maior rede de supermercados do mundo, AstraZeneca, gigante do ramo de drogarias, Partido Trabalhista britânico, CIA e Vaticano.   O WikiScanner não consegue identificar os indivíduos que alteraram os artigos da Wikipedia. Ele aponta apenas que a edição foi feita por alguém com acesso à rede interna das empresas.   "Tecnicamente, não sabemos se o verbete vem de algum funcionário, mas temos certeza de que foi feito dentro da intranet da companhia", afirma o programador no site.   Muitos outros computadores das mesmas companhias foram rastreados enquanto acrescentavam boas informações a outros verbetes da Wikipedia.   ExxonMobil, a maior petroleira dos Estados Unidos, modificou com má-fé o artigo sobre o desastre do petroleiro Exxon Valdez em 1989. A frase dizendo que a companhia "ainda não pagou os US$ 5 bilhões em danos causados a 32 mil pescadores do Alaska" foi deletada e substituída por referências à quantia que a empresa já pagou.   Outro flagrante tem cunho político. A CIA, agência de inteligência americana, fez alterações na página do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. A exclamação "Wahhhhhh!" foi colocada no topo da seção sobre os planos do líder iraniano para a presidência. O sistema de proteção do site excluiu o comentário em minutos.   O Vaticano também fez mudanças nos verbetes relacionados ao líder do movimento político irlandês Sinn Féin, Gerry Adams.   (Com agência internacionais)

Mais conteúdo sobre:
Web 2.0 Wikipedia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.