Etanol ''combate fome'', diz Lula em jornal africano

No ''Accra Daily Mail'', de Gana, Lula pede adesão de africanos aos biocombustíveis.

BBC Brasil, BBC

16 Julho 2007 | 06h50

Um artigo assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no jornal africano Accra Daily Mail, um dos maiores de Gana, afirma que o etanol pode ser uma solução para acabar com a fome nos países pobres. O artigo aparece no momento em que a possibilidade de se aumentar a produção mundial de biocombustíveis é criticada pelo risco de que as plantações para fins energéticos tomem o lugar das culturas alimentares. No artigo, Lula cita a experiência brasileira com o etanol para dizer que o raciocínio não vale: "A indústria de etanol criou 1,5 milhão de empregos diretos e 4,5 milhões de indiretos no Brasil. Na sua primeira fase, o programa de biodiesel criou mais de 250 mil empregos, especialmente para pequenos agricultores em áreas semi-áridas". "Também é importante destacar que nossa produção de biocombustível não ameaça a segurança alimentar, porque afeta apenas 2% de nossa terra arável. Além disso, ao gerar mais recursos que podem ser usados para comprar comida, ajuda a combater a fome", diz Lula. O presidente quer conquistar a adesão dos países africanos para iniciativas de produção de biocombustíveis que poderiam ser desenvolvidas com tecnologia brasileira. No ano que vem, o Brasil organizará uma conferência mundial sobre o tema, observa Lula. O presidente argumenta ainda que em países "economicamente pobres, mas ricos em sol e terras aráveis", os biocombustíveis são uma "opção real" e uma "promessa real" de desenvolvimento sustentável. Em outra reportagem, que vai no sentido oposto ao argumento presidencial, o Financial Times afirma que o aumento da produção de milho, trigo e soja para biocombustíveis eleva o preço dos alimentos. Em entrevista ao jornal financeiro britânico, a diretora executiva do Programa Mundial de Alimentos da ONU, Josette Sheeran, disse que a transformação das colheitas tem o potencial de encarecer ainda mais os alimentos, que já estão altos devido à demanda para abastecer a China. A organização - cuja operação consiste principalmente em redistribuir doações de alimentos produzidos em excesso - diz temer pela integridade de seus próprios recursos. Já o diário ABC, da Espanha, reporta que a perspectiva de produzir mais biocombustível tem fomentado uma elevação no preço do petróleo e de seus derivados. Segundo a linha do jornal, a aposta européia, americana e brasileira nos biocombustíveis tem levado os países produtores de petróleo a conter seus investimentos em exploração e produção, como uma forma de escassear a oferta do produto e elevar os preços. "Ainda que os preços do petróleo estejam a caminho de superar os máximos históricos de agosto de 2006, a Opep (o cartel dos produtores) não parece disposta a desperdiçar uma nova oportunidade de engordar seu caixa", diz o texto. O barril da commodity já supera os U$ 76 no mercado internacional. Entretanto, o ABC cita um relatório da Agência Internacional de Energia, segundo o qual o consumo mundial de biocombustíveis representará apenas 2% do consumo de petróleo entre 2007 e 2009. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.