FAB monta operação de guerra para ajudar vítimas em SC

Já são mais de 78 mil pessoas desabrigadas ou desalojadas pelas chuvas no Estado e outras 114 mortas

Agência Estado, com O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2008 | 07h58

A maior operação aérea da Defesa Civil na história do Brasil se tornou uma operação de guerra para resgatar as vítimas das enchentes e deslizamentos em Santa Catarina, por causa das chuvas que atingiram o Estado. Um Quartel General foi montado em uma das salas do Aeroporto Internacional de Navegantes, onde há mapas afixados com cartas aeronáuticas, quadros com missões a serem cumpridas por pilotos e tripulantes de 12 instituições estaduais e federais, incluindo Exército e Aeronáutica. Entre os dias 23 e 29 de novembro, foram cumpridas 459 missões, em um total de 375 horas de vôo.    Veja também: Saiba como ajudar as vítimas da chuva IML divulga lista de vítimas identificadas Repórteres relatam deslizamento em Ilhota  Mulher fala da perda de parentes em SC Tragédia em Santa Catarina  Blog: envie seu relato sobre as chuvas  Veja galeria de fotos dos estragos em SC   Tudo sobre as vítimas das chuvas     Agora denominada Operação Santa Catarina, a estratégia de resgate às vítimas dos soterramentos e das enchentes no Vale de Itajaí também é, segundo o Comando Aeronáutica, a maior operação aérea deflagrada no País em todos os tempos. Na América Latina, só perde para a Guerra das Malvinas, em 1982, entre Argentina e Reino Unido. Mais de uma semana depois do início das chuvas, a FAB acredita que terá de enfrentar uma situação de "calamidade na saúde pública", uma vez que mais de 100 mil pessoas, segundo a Superintendência de Hospitais Públicos de Santa Catarina, tiveram contato com água contaminada. "Dá um frio na espinha não saber o que vamos encontrar aqui a partir de agora", diz o capitão farmacêutico Cidcley Samia, que ajudava ontem a montar um dos módulos do Hospital de Campanha (Hcamp), que será aberto hoje às 8 horas. "Ninguém sabe quando essa tragédia vai acabar."   Mais vítimas   Um novo deslizamento de terra causado pelas chuvas resultou na morte de duas pessoas no município de Luiz Alves, no domingo, 30, aumentando para 114 o total de mortos em Santa Catarina em decorrência dos temporais desde a última semana, informou a Defesa Civil.  Nove dias após o registro das primeiros mortes pela chuva no Estado, 19 pessoas seguem desaparecidas e as autoridades se esforçam para levar comida, água e outros suprimentos para as mais de 78 mil pessoas desabrigadas ou desalojadas. Com a previsão do tempo indicando chuvas fortes ainda para os próximos dias, há uma grande preocupação com os moradores que seguem em áreas de risco. Na semana passada, a Polícia Militar chegou a ser acionada para promover a retirada forçada de moradores que se recusavam a deixar áreas de risco no município de Ilhota.   (Com Reuters)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.