Foguete brasileiro é lançado com sucesso no MA

Após cinco tentativas frustradas, equipamento é lançado; carga útil ainda não foi recuperada

Ernesto Batista, especial para o Estado,

19 Julho 2007 | 11h51

A Agência Espacial Brasileira (AEB) lançou com sucesso nesta quinta-feira, 19, o foguete VSB-30 no Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão. O lançamento estava inicialmente previsto para quarta-feira passada, mas devido a ventos fortes, foi adiado para esta quinta.    Veja também:  Agência Espacial Brasileira    A operação de lançamento começou as 5h da manhã e ao contrário dos outras quatro tentativas teve apenas uma parada de contagem. Com tempo limpo e pouco vento, o lançamento e a separação do primeiro para o segundo estágio pode ser vista das praias de São Luís.   A contagem da quinta - e última - tentativa de lançamento chegou a ser interrompida por duas vezes antes de atingir o "ponto sem volta", às 10h45. Esta seria a última oportunidade para realizar o lançamento, antes que a equipe de 300 pessoas fosse desmobilizada.   Os dois motores do foguete funcionaram por cerca de dois minutos e foguete atingiu seu apogeu, ou seja a altura máxima, quatro minutos depois. Imagens de uma das experiências, sobre difusão de ondas em gel, desenvolvida em parceria pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), pela Universidade de São Paulo (USP) e pela Universidade de Hokemhaimen foram transmitidas em tempo real para o CLA.   O VSB-30 pesa 2,5 toneladas, tem 12 metros de comprimento, mas não chega a entrar em órbita. Apenas atinge as camadas exteriores da atmosfera. Durante o vôo serão realizados nove experimentos referentes a diversas áreas da ciência, envolvendo microgravidade. Sua carga útil, onde ficam armazenados os experimentos, deveria ser recuperada por volta das 14h, mas ainda não foi encontrada.   Construído em parceria com a agência espacial alemã, o foguete custou 1,25 milhão de dólares. As experiências científicas foram selecionadas pelo Programa Microgravidade, da Agência Espacial Brasileira (AEB). Alguns dos estudos escolhidos são continuações dos que foram conduzidos pelo astronauta brasileiro Marcos Pontes à Estação Espacial Internacional (ISS), no ano passado. Há projetos considerados estratégicos, como o desenvolvimento de um sistema nacional de guiagem de foguete brasileiros. Com a missão, o Brasil tenta dar um passo à frente em seu Programa Espacial, vítima de um forte abalo em 2003, quando uma descarga elétrica incinerou o Veículo Lançador de Satélite (VLS) às vésperas de seu lançamento, matando 21 pessoas que trabalhavam na ocasião. De tecnologia mais simples que o VLS, o VSB-30 já foi lançado outras três vezes. Uma a partir da base de Alcântara e em outras duas ocasiões a partir de um centro de lançamento na Suécia. O protótipo não é, porém, a menina dos olhos do Programa Espacial. Colocar um Veículo Lançador de Satélite em órbita é o grande sonho do Brasil, pois marcará a entrada do país no jogo espacial internacional.   Com Reuters   Matéria ampliada às 15h10

Mais conteúdo sobre:
Foguete Alcântara

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.