1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Forças iraquianas rompem cerco de 2 meses à cidade de Amerli

REUTERS

31 Agosto 2014 | 14h 45

Forças de segurança iraquianas apoiadas por milícias xiitas quebraram neste domingo o cerco de dois meses imposto a Amerli por militantes do Estado Islâmico e entraram na cidade do norte do país, disseram autoridades.

O prefeito de Amerli e oficiais do Exército disseram que as tropas apoiadas por milícias derrotaram combatentes do Estado Islâmico, a leste da cidade. A luta continuou para o norte de Amerli em várias aldeias.

"As forças de segurança e milicianos estão dentro de Amerli agora, depois de romper o cerco, o que vai certamente aliviar o sofrimento dos moradores", disse Adel al-Bayati, prefeito de Amerli.

A ação foi saudada como uma grande vitória estratégica para as forças de segurança iraquianas e os milicianos que se juntaram a eles depois de um verão que viu o Estado Islâmico liderar outros grupos armados sunitas para capturar quase um terço do território do país.

"A batalha de Amerli é uma vitória de ouro das forças de segurança do Iraque que ainda estão lutando contra os grupos terroristas em áreas ao norte e ao sul de Amerli", disse o porta-voz militar Qassim al-Atta.

Atta descreveu Amerli como plataforma de lançamento para retomar a província de Salahuddin, incluindo sua capital, que foi capturada pelo Estado Islâmico em junho.

O avanço das forças iraquianas em Amerli ocorreu depois de militares dos Estados Unidos realizarem ataques aéreos durante a noite em posições de militantes do Estado Islâmico perto da cidade, além de jogarem pelo ar suprimentos humanitários para os moradores presos. Mais ajuda foi jogada por aviões britânicos, franceses e australianos.

O Pentágono disse que aviões de guerra atingiram três veículos de patrulha, um tanque e um veículo armado dos militantes, além de um posto de controle controlado pelo grupo.

Os ataques aéreos criaram o cenário estranho, com as forças dos EUA ajudando combatentes, alguns dos quais antes combatiam soldados norte-americanos.

(Por Isabel Coles e Ahmed Rasheed)

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo