Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias >
Início do conteúdo

França busca acalmar nervos sobre fracasso da Dassault no Brasil

19 de dezembro de 2013 | 9h 34
JOHN IRISH - Reuters

O ministro da Defesa da França, Jean-Yves Le Drian, minimizou mais um fracasso nas vendas do caça francês Rafale, dessa vez no Brasil, dizendo estar confiante de que em breve terá boas notícias sobre licitações na Índia e em países do Golfo Pérsico.

Fabricado pela Dassault Aviation, o jato multiemprego Rafale ainda não conseguiu emplacar um comprador estrangeiro, apesar de ser considerado um dos mais eficientes e sofisticados caças do mundo, mas também um dos mais caros.

As ações da companhia caíram em torno de 4 por cento nesta quinta-feira após o anuncio do governo brasileiro, na quarta-feira, da decisão de comprar 36 caças Gripen NG, da empresa sueca Saab, com investimento previsto de 4,5 bilhões de dólares até 2023, dando fim a um processo de concorrência que se arrastava há mais de uma década.

A França esteve perto de fechar o acordo com o Brasil em 2011, com a Dassault apostando na promessa de transferir a tecnologia do novo caça para superar a concorrência, mas à época o governo brasileiro anunciou o adiamento da decisão devido à escalada da crise econômica.

"Isso não é um fracasso. É uma decepção em um objetivo que não era prioridade", disse Jean-Yves Le Drian à rádio Europe 1, minimizando a derrota. "O Brasil não era um objetivo prioritário para o Rafale. Temos objetivos mais importantes na Índia e no Golfo (Estados Árabes)."

O presidente francês, François Hollande, esteve no Brasil em 12 de dezembro com a meta de impulsionar o negócio.

A Dassault está envolvida há mais de um ano em negociações exclusivas com o governo indiano para a venda de 126 aviões. Um oficial da Força Aérea da Índia disse no fim de outubro esperar concluir o negócio até março de 2014.

"A escolha do Brasil é lógica", disse um trader baseado em Paris. "Foi uma escolha econômica pelo avião sueco."

"A França precisa entender que o Rafale é muito caro e que a qualidade do equipamento não é levada em consideração no atual processo decisório. Com esse fracasso, o contrato na Índia se torna crucial para a Dassault."

No Brasil, o caça Gripen NG, da Saab, era finalista na disputa com o Rafale e o F-18 Super Hornet, da norte-americana Boeing.

A disputa foi marcada por muitas idas e vindas, com cada uma das proponentes aparecendo como favorita em diferentes momentos da licitação.



Tópicos: FRANCA, BRASIL, CACA*

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo