Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias >
Início do conteúdo

Freixo critica postura de advogado de manifestante preso

10 de fevereiro de 2014 | 16h 45
FÁBIO GRELLET - Agência Estado

O deputado estadual fluminense Marcelo Freixo (PSOL) nega ter qualquer ideia de quem seja o rapaz que acendeu o rojão que atingiu o cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade e diz que só conversou com a ativista Elisa Quadros, a Sininho, na manhã deste domingo, 9, porque ela ligou relatando o receio de que Fábio Raposo - que havia sido preso - fosse alvo de violência na cadeia. Freixo criticou o advogado de Raposo, Jonas Tadeu Nunes, por ter divulgado, sem consultar o deputado, o termo circunstanciado em que um estagiário de seu escritório de advocacia relata uma conversa telefônica com Sininho. No diálogo, segundo o estagiário, Sininho afirmou que o rapaz que acendeu o rojão tem ligação com Freixo.

Para o deputado, o advogado deveria tê-lo informado sobre essa conversa de Sininho com seu estagiário, antes de divulgar o episódio. "O advogado saiu da delegacia e entregou o documento a uma repórter. E é o mesmo advogado do Natalino (Guimarães, ex-deputado estadual preso após uma investigação liderada por Freixo na Assembleia Legislativa do Rio). Ele já teve enfrentamento comigo, então precisava ter cuidado", disse Freixo. "Hoje, em um programa de rádio, o advogado me pediu desculpas", contou o deputado. "A acusação que paira é que eu tenho relação com essa pessoa (que acendeu o rojão), que ninguém sabe quem é. Mesmo se tivesse relação, isso não significaria concordar com a atitude da pessoa. Espero que essa pessoa seja descoberta e que isso seja esclarecido", afirmou.

"Quando a Sininho me ligou, eu expliquei que não fazia sentido (registrar a denúncia naquele momento), porque o preso nem tinha ido para a cadeia ainda, estava na delegacia. Além disso, eu não ofereci advogado nenhum, em nenhum momento, nem agora nem nas outras manifestações, porque a Comissão de Direitos Humanos (que Freixo preside na Assembleia) não tem esse papel nem essa estrutura", disse. Segundo ele, nem o partido nem seu gabinete na Assembleia prestaram qualquer auxílio jurídico a manifestantes, desde o início da onde de protestos, no ano passado. "Lamento profundamente a morte do Santiago, e me assusta muito essa escalada de violência. Eu repudio qualquer forma de violência, de qualquer lado. Não acredito em violência nem como método nem como princípio", afirmou Freixo.




Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo