Galliano irá a julgamento por comentários antissemitas

Estilista britânico pode pegar até seis meses de prisão se condenado.

BBC Brasil, BBC

02 Março 2011 | 17h30

Galliano havia sido afastado da Dior na semana passada

Promotores franceses anunciaram nesta quarta-feira que o estilista britânico John Galliano - demitido da grife Dior na terça-feira devido a comentários aparentemente antissemitas feitos por ele - irá a julgamento pelo que fez.

Os comentários, feitos em um bar na capital francesa, Paris, foram divulgados em um vídeo na internet.

O julgamento pelo crime de fazer comentários racistas em público deve ocorrer ainda este ano, e o estilista pode ser condenado a até seis meses de prisão se considerado culpado.

Galliano divulgou nesta quarta-feira uma nota em que se desculpou "incondicionalmente" por seu comportamento e disse que o racismo "não tem espaço em nossa sociedade".

"Nego veementemente as acusações feitas contra mim e tenho colaborado totalmente com a polícia", disse por meio de declaração divulgada por um escritório de advocacia britânico.

Reação

Na nota, o estilista afirma que foi "molestado verbalmente em um ataque não provocado", quando um indivíduo supostamente tentou acertá-lo com uma cadeira, "(um indivíduo) que rejeitou violentamente minha aparência e minhas roupas" durante a discussão no bar, na semana passada.

"Por estas razões eu iniciei os procedimentos (legais) por difamação e ameaças feitas contra mim", acrescentou o estilista.

Na declaração, o estilista também afirmou que quer "tratar do fracasso pessoal que levou a estas circunstâncias e tentar conseguir o perdão das pessoas", acrescentando que agora "está procurando ajuda".

Galliano afirmou ainda que tinha permanecido em silêncio até o momento seguindo os conselhos de seu advogado francês, mas agora queria "esclarecer sua posição".

Demissão

A direção da Dior disse que decidiu pela demissão de Galliano na terça-feira depois de assistir a um vídeo divulgado na semana passada pela internet no qual o estilista aparentemente aparece fazendo comentários antissemitas em um bar de Paris.

O vídeo divulgado no site do tabloide britânico The Sun mostra uma pessoa que seria Galliano em uma mesa de um bar falando "Eu amo Hitler", entre outras declarações.

Galliano, que trabalhava para a marca desde 1996, já havia sido suspenso pela Dior na semana passada.

No vídeo divulgado pelo The Sun, um homem que seria Galliano é visto em uma mesa de um bar por duas mulheres.

"Pessoas como vocês seriam mortas hoje, suas mães, seus antepassados seriam mortos com gás", afirma o homem mostrado no vídeo.

A polícia francesa já havia detido Galliano na noite de quinta-feira depois que um casal o acusou de fazer comentários antissemitas. Ele também teria trocado tapas com o casal. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
john galliano dior antissemita demissão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.