1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine


Gibi traz crianças portadoras de HIV

Isabela Lamster - O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2012 | 03h 02

'Amiguinhos da Vida', de Maurício de Sousa, busca educar e reduzir preconceito sobre doença

O cartunista Maurício de Sousa lançou recentemente seu primeiro gibi com personagens portadores do vírus HIV, Amiguinhos da Vida. A ideia é atingir o público infantil e os pais, para tentar reduzir o preconceito com os doentes.

A edição especial, que tem por objetivo estimular a socialização entre crianças soropositivas e saudáveis, usa os personagens Igor e Vitória para tratar de temas como as formas de contágio da doença, a importância do convívio e da aceitação social das crianças portadoras e os cuidados especiais que devem ser tomados com elas.

"A criança geralmente não tem preconceito. Ela aprende no dia a dia com os adultos. É uma campanha de vacinação. Você vacina a criança contra o preconceito", afirmou Sousa.

Na história, Igor e Vitória têm uma vida normal, são crianças ativas e praticam esportes. O contato entre a "turminha" e os recém-chegados acontece na escola e as informações sobre a doença são fornecidas na aula, pela professora.

Ela explica para os alunos que não há riscos de saúde na convivência com as crianças com o HIV, mas diz que, em caso de acidentes e machucados, os alunos devem chamar um adulto, já que os cuidados são diferentes.

A ideia para o projeto veio do presidente da ONG Amigos da Vida, Christiano Ramos, que desde 2000 atua na disseminação de informações de prevenção da aids, no combate à doença e na promoção dos direitos humanos dos portadores.

"Procurei o Maurício porque sabia que ele trataria o tema de maneira acessível. Ele abordou um tema muito pesado de uma forma leve, de fácil assimilação para as crianças", elogia Ramos.

Distribuição gratuita. A primeira tiragem do gibi foi de 30 mil exemplares, entregues gratuitamente em hospitais, consultórios médicos, entidades e escolas. Para o começo de 2013 estão previstos mais 2 milhões de exemplares, que serão distribuídos em várias capitais, como Rio, São Paulo, Curitiba, Salvador e Recife.

A publicação está sendo traduzida para o inglês e será levada a outros países.

Segundo Maurício de Sousa, as novas personagens podem vir a fazer parte da revistas de linha, mas sem citar constantemente o fato de elas serem soropositivas. Já apareceram na obra do cartunista as personagens Humberto, que não fala, Dorinha, que é deficiente visual, Luca, cadeirante, Tati, que possui síndrome de Down, e André, que é autista.