Google vai participar de projeto para filmar o universo

O gigante norte-americano Google, que já foi sensação na internet com seus mapas tridimensionais, entrou agora em um projeto para filmar digitalmente todo o espaço visível da Terra, através de um telescópio instalado no Chile. O projeto, que reúne 19 universidades e laboratórios, prevê a construção de um telescópio na colina Pachón, no Chile, que - a partir do momento em que começar a funcionar, previsão para 2013 - será capaz de repassar semanalmente todo o espaço visível da Terra com a ajuda de uma câmera digital de 3 bilhões de pixels. Com o Large Synoptic Survey Telescope (LSST), os especialistas estarão em condições de "comprovar os mistérios da matéria negra, e abrir uma janela ao estilo de um filme sobre objetos que mudam ou se movem rapidamente", explicaram responsáveis pelo projeto. Eles também poderão explorar supernovas e advertir com tempo asteróides que se aproximam perigosamente da Terra, indicaram. "Na atualidade, realmente não contamos com nenhuma forma de detectá-los antes que sejam óbvios", reconheceu Suzanne Hawley, do departamento de Astronomia da Universidade de Washington. As imagens capturadas da colina Pachón serão transformadas no "maior filme de todos os tempos", disse o astrônomo Craig Hogan, também da Universidade de Washington e um dos principais cientistas que trabalham no projeto. "Ela transformará a forma como fazemos ciência", disse Hogan ao Seattle Post Intelligencer. O comunicado que anunciou hoje a entrada do gigante da internet na iniciativa assegura que o Google e a entidade público-privada que dirige o LSST "compartilham muitos objetivos comuns". Trata-se, disseram, de "organizar massivas quantidades de informação e torná-la útil". Segundo o LSST, o telescópio vai gerar mais de 30 mil gigabytes de imagens a cada noite. "Será o YouTube da astronomia", disse Hogan, comparando com o popular site da internet onde o público põe a disposição do mundo inteiro imagens de vídeo. O Google passou por um importante marco quando comprou a companhia Keyhole Inc. e pôs ao alcance do público de maneira gratuita, em junho de 2005, seu programa que permite observar o planeta de maneira tridimensional e inclusive ver as ruas e cidades com detalhes.

Agencia Estado,

08 Janeiro 2007 | 10h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.