Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Geral » Governo praticamente atingiu meta no ensino técnico

Estadão

Governo praticamente atingiu meta no ensino técnico

Segundo Aléssio Trindade de Barros, já foram realizadas 7,7 milhões de matrículas por meio do Pronatec

0

DAYANNE SOUSA E IGOR GADELHA,
Estadão Conteúdo

19 Agosto 2014 | 13h37

O governo federal praticamente já atingiu a meta de ofertar 8 milhões de vagas no ensino técnico no Brasil entre os anos de 2011 e 2014, disse no início da tarde desta terça-feira, 19, Aléssio Trindade de Barros, secretário de Educação Profissional e Tecnologia do Ministério da Educação. Segundo o gestor, até segunda-feira, 18, já tinham sido contabilizadas 7,7 milhões de matrículas, por meio do Pronatec.

Em sua fala no Fórum Estadão Competitivo, Barros destacou que o Plano Nacional de Educação (PNE) "avança" na área profissional, com duas metas relacionadas. Uma delas, citou, é a de oferecer o mínimo de 25% das matrículas de educação de jovens e adultos nos ensinos fundamental e médio, de forma integrada. Na avaliação dele, esse é um dos grandes desafios, uma vez que o Brasil está "muito atrás" na oferta de educação profissional para jovens e adultos.

Mostrando dados que relacionam a população economicamente ativa à educação profissional, ele destacou que há, atualmente, uma presença muito forte da população na faixa etária de 50 anos entre aqueles que possuem o ensino fundamental incompleto. "O EJA (Educação de Jovens e Adultos) aliado à educação profissional ataca diretamente esse aspecto", destacou, defendendo que é necessário que a educação profissional seja diversa e flexível para atender a diversidade de demanda.

Produtividade e renda

O crescimento da produtividade do trabalho no Brasil é essencial para que o país consiga manter o crescimento da renda da população que levou à expansão da classe média nos anos 2000, avaliou o professor da Universidade de Brasília (UnB) Jorge Arbache. Em sua opinião, melhorias na educação são essenciais para que isso ocorra e para que os salários dos trabalhadores possam crescer de forma sustentável.

Arbache considerou que os níveis de produtividade do trabalho no Brasil são baixos para o padrão de países em desenvolvimento. Segundo cálculo apresentado pelo professor, a produtividade do trabalho no Brasil cresceu 5,6% de 1980 até 2013 - ritmo de crescimento considerado por ele insuficiente.

O professor da UnB considera que os baixos níveis de produtividade se tornam ainda mais desafiadores quando combinados à atual realidade do Brasil de transformação demográfica. O crescimento da população com mais de 60 anos eleva custos ao mesmo tempo em que o País já tem custos elevados associados à burocracia e à tributação. "Todos estes fatores fazem com que a entrada do Brasil na economia mundial apenas por meio de custos baixos se torne improvável", ressaltou.

Arbache avaliou que é preciso que o Brasil aumente sua capacidade de participar num mundo em transformação e no qual o custo de mercadorias está associado a itens como marketing ou pesquisa e desenvolvimento. "É nesse ponto que a educação presta um papel fundamental", concluiu.