1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Igreja Católica tem queda recorde e perde 465 fiéis por dia em uma década

LUCIANA NUNES LEAL, CLARISSA THOMÉ / RIO - O Estado de S.Paulo

30 Junho 2012 | 03h 05

Na última década, a Igreja Católica teve uma perda sem precedentes na História, embora continue a religião majoritária do País. Além da queda recorde na proporção de fiéis, a população católica encolheu pela primeira vez em números absolutos. Dados do Censo divulgados ontem mostram que em 2010 havia quase 1,7 milhão de católicos a menos que em 2000. Em média, a Igreja perdeu 465 fiéis por dia.

Dados do Censo indicam que o total de católicos diminuiu 1,4%, enquanto a população brasileira aumentou 12,3%. Em 2010, havia 123,2 milhões de católicos no País; em 2000, eram 124,9 milhões. Em dez anos, a comunidade católica perdeu uma população equivalente à de Curitiba.

Em 2010, 64,6% da população brasileira era católica. Houve uma queda de 12,2% em relação aos 73,6% de 2000, a maior perda proporcional desde o início da contagem da população, em 1872. Há 50 anos, a religião católica tinha predomínio absoluto, com 93% da população. Se for mantido o ritmo da última década, em 20 anos os católicos serão menos da metade da população.

O crescimento dos evangélicos é a maior causa da queda dos católicos, embora também tenham crescido os brasileiros que se declaram sem religião e os de religiões minoritárias, como o espiritismo.

Divididos em três grandes categorias, os evangélicos seguem crescendo, mas em ritmo bem menor que na década anterior e chegaram a mais de um quinto da população brasileira, com 22,2%, ou 42,2 milhões de fieis. Houve um aumento em números absolutos de 16 milhões de evangélicos entre 2000 e 2010 - ou 4.383 novos fiéis por dia.

O aumento dos evangélicos é puxado pelos pentecostais, principalmente os da Assembleia de Deus, e por um novo fenômeno do mundo evangélico, o fiel "independente", que segue a religião, mas não se vincula a nenhuma igreja específica. A pulverização dos evangélicos acompanha o surgimento de novas igrejas a cada dia.

Diversificação. "Não existe uma inversão da sociedade católica para a protestante. O que se vê é um processo mais agudo de diversificação. O brasileiro não tem mais constrangimento de dizer que não é católico. A diversificação da sociedade, a modernização e o acesso a novas tecnologias fazem com que as pessoas tenham mais liberdade para dizer 'sou sem religião'. Mas essa afirmação de identidade tem caráter muito fluido. A religião passa a ser um aspecto da vida social, onde é permitido experimentar. Com isso, católicos e protestantes tradicionais ficam mais vulneráveis", diz a professora e pesquisadora da religião Sílvia Fernandes, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Os evangélicos tradicionais (de missão), de igrejas históricas trazidas ao Brasil pela imigração europeia, como luterana, presbiteriana, batista e adventista, entre outras, cresceram em números absolutos, mas estão estagnados na proporção em relação à população. Eram 4,1% dos brasileiros em 2000 e agora são 4%. O número de luteranos e presbiterianos diminuiu na última década.

No conjunto da população, evangélicos pentecostais, católicos e sem religião são os que têm menor renda e menor escolaridade. Os espíritas e os evangélicos tradicionais se destacam por terem mais anos de estudo. Os espíritas têm renda bem superior aos demais.

Professor de antropologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Ronaldo de Almeida acredita que a Igreja Católica perde fiéis em quantidade, mas os que ficam são mais convictos. "O que está perdendo é o catolicismo tradicional: você não sabe muito o que dizer, diz que é católico. Não sabe o que fazer com seu filho, põe na catequese. Mas, se ele começar a usar drogas, vai para uma evangélica. O catolicismo perde gordura, mas se fortalece também. Eu não apostaria em fragilidade do catolicismo. Ao ficarem mais convictos, os católicos ficam mais parecidos com os evangélicos", diz o pesquisador.

Aparentemente, o crescimento dos padres cantores, que arregimentam multidões de católicos, ainda não surtiu efeito no objetivo de trazer novos fieis. "Os padres cantores têm um fator de atração, sim. Vendem muitos CDs. Mas há um dado interessante. Não é o caso do padre Marcelo Rossi, mas o padre Fábio de Melo atrai gente de todas as religiões", diz Sílvia Fernandes.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo