1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Inflação não cai no ritmo esperado pelo BC

O primeiro sinal captado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para a inflação de 2016 é o de que a desaceleração dos preços não será tão acentuada como vem projetando o Banco Central (BC). A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) - cujo período de coleta vai do dia 15 do mês anterior ao dia 15 do mês de referência - foi de 0,92%. É um índice menor do que o de dezembro, de 1,18%, mas ainda alto o bastante para sugerir que será difícil que o acumulado do ano fique em 6,2%, como foi projetado pelo BC no Relatório Trimestral de Inflação divulgado na segunda quinzena de dezembro.

O resultado do IPCA-15 de 12 meses, de 10,74%, é superior à inflação de 2015, que foi de 10,71%. Mas, com o correr dos meses, é possível que a inflação de 2016 fique menor do que a de 2015. Não há, porém, elementos para prever, como fez o BC, que fique dentro do complacente limite de 6,5% da política de metas seguida pela autoridade monetária. Mesmo a projeção do BC, que é considerada otimista pelos economistas do mercado financeiro, está bem acima da meta, que há anos está fixada em 4,5% e igualmente há anos vem sendo sistematicamente descumprida.

O comportamento de importantes itens do IPCA sugere que, no primeiro trimestre, a inflação deve ficar abaixo da registrada nos três primeiros meses do ano passado. Neste início de ano, o IPCA não mais incorporará o forte reajuste da tarifa de energia elétrica, como ocorreu em 2015. Desse modo, é provável que os índices mensais de janeiro e dos próximos meses não superem 1%, como se registrou no início do ano passado.

O IPCA-15 não captou os efeitos dos reajustes de transportes públicos, tanto que o grupo Transportes registrou, no período de apuração, alta de 0,87%, variação menor do que a do próprio índice, em razão da queda dos preços da gasolina e das passagens aéreas. As novas tarifas de transportes públicos, como as dos ônibus e do metrô paulistano, com maior peso na composição do IPCA, serão captadas no índice cheio de janeiro.

Em contraposição, a alta de 1,67% no IPCA-15 do grupo Alimentação e Bebidas - provocada sobretudo pelos alimentos in natura, cuja produção foi afetada pelas chuvas fortes - não deverá se repetir.

Isso está muito longe de significar que a inflação cairá rapidamente. Ela é e continuará por muitos meses sendo um problema central da economia brasileira.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em GeralX