1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Justiça condena faculdade e alunos por trote violento

Chico Siqueira - Estadão Conteúdo

27 Agosto 2014 | 12h 49

Caloura que ficou com sequelas após queimaduras com produto químico de lavar carros vai receber R$ 70 mil de indenização

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) condenou três universitários e a mantenedora das Faculdades Integradas Padre Albino, de Catanduva (SP), a indenizar em cerca de R$ 8,3 mil -cerca de R$ 70 mil atualizados- uma estudante que sofreu ferimentos graves em trote violento, nas dependências da faculdade, em 2000. A decisão do TJ, publicada nesta terça-feira, 26, confirma sentença dada em 2009 em primeira instância e à ela cabe recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A decisão beneficia Mariângela Cláudia Dias Chaves, que adquiriu sequelas permanentes causadas por queimaduras provocadas por produto químico de lavar carros jogado em suas costas durante a recepção aos calouros, em 2000. Três estudantes do 2º ano do curso foram condenados: Elias Geraldo Zanotto dos Santos, Rogério Henrique Bortoletto e Vanderlei Aparecido Frigieri Júnior.

"Me pediram R$ 30,00 para não participar do trote, como eu não tinha dinheiro, decidi participar, mas não imaginava que fosse violento", diz.

Eles pediram para eu agachar e abaixar a cabeça e avisaram que jogariam algo nas minhas costas, ou seja, sabiam que era algo perigoso e não poderia atingir os olhos", lembra. "Fiquei com marcas iguais as causadas por tiros porque o produto era corrosivo e penetrou na minha pele", conta Mariângela. "Só pude entrar na piscina em 2011", diz. "Em 2007, eu até tentei, mas depois que uma menina me perguntou que marcas de tiros eram aquelas, eu desisti".

Por conta do episódio, Mariângela diz que largou os estudos e só recuperou-se do trauma psicológico depois que casou e se tornou pastora de igreja evangélica. "As sessões de terapia da igreja me ajudaram a superar o problema", conta Mariângela, hoje com 37 anos de idade, e trabalha de projetista de móveis em uma empresa de Catanduva. Ela diz que só decidiu mover ação civil depois que a Justiça absolveu os acusados de cumprir prisão fechada no processo criminal. "Eu não entendi porque eles foram condenados somente a cumprir somente trabalhos para a comunidade", disse. Ela diz estar satisfeita com a decisão. "Não é pelo dinheiro -porque tive prejuízo muito maior-mas é pelo exemplo que deve ser dado para que outros não façam esse tipo de trote", afirmou.

Seu advogado Adriano Goldoni Pires disse que vai executar a Fundação Padre Albino para fazer o pagamento da indenização. A fundação divulgou nota dizendo ser contra o trote, que puniu os alunos acusados e que não analisou a decisão porque ainda não foi citada. A reportagem não localizou advogados dos estudantes condenados.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo