Líder chinês promete "limpar" a internet

O líder do Partido Comunista Chinês, Hu Jintao, prometeu "limpar" a internet, informou a mídia estatal nesta quarta-feira, descrevendo um encontro de alto escalão no qual foram discutidas estratégias para controlar os usuários chineses da rede mundial de computadores, cada vez mais numerosos. Hu fez esses comentários quando o Politburo do partido --o órgão dirigente, composto por 24 membros-- avaliava a situação da Internet no país, que teria, no final de 2006, 137 milhões de usuários registrados. O dirigente, um comunista rígido avesso a conferir liberdades no âmbito cultural, não mencionou abertamente o termo "censura". Mas deixou claro que o Partido Comunista procurava alternativas para garantir seu controle sobre os usuários chineses da internet, geralmente mais interessados em imagens picantes, jogos violentos e escândalos políticos do que na doutrina marxista. O partido tinha de "tornar mais rígidos o desenvolvimento da e a administração sobre a cultura sobre internet de nosso país", afirmou Hu, no encontro realizado na terça-feira. O conteúdo de suas declarações foi divulgado pela agência de notícias Xinhua, um órgão do governo. "Manter a iniciativa em opinião dentro da internet e incrementar o grau de diretriz online," disse. "Precisamos promover uma administração e um uso civilizados da Internet, e precisamos limpar o ambiente da internet." Em 2006, o número de usuários chineses da rede mundial de computadores aumentou em 26 milhões, ou 23,4% na comparação anual, atingindo agora 10,5% da população, afirmou na terça-feira o Centro de Informações sobre a internet na China. A grande maioria desses usuários não tem acesso a sites abrigados em provedores estrangeiros e que oferecem material não censurado ou notícias críticas ao partido governante. Mas, apesar dos controles rígidos mantidos pelas autoridades chinesas, notícias sobre escândalos políticos e textos de dissidentes têm conseguido circular através de boletins noticiosos e de blogs. Hu mandou que as autoridades do país intensifiquem o controle sobre a internet mesmo à medida que se esforçam para incentivar o potencial econômico da rede. "Tomem medidas para garantir que com uma mão seja incentivado o desenvolvimento, enquanto a outra aperte sua administração."

Agencia Estado,

24 Janeiro 2007 | 15h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.