Lula defende biocombustíveis das críticas crescentes

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu a produção de biocombustíveis do Brasil nesta quarta-feira, rejeitando as críticas de que ela acelera os preços dos alimentos em todo o mundo e prejudica o meio-ambiente. "Não me diga, pelo amor de Deus, que a comida é cara por causa do biodiesel. A comida é cara porque o mundo não se preparou para ver milhões de chineses, indianos, africanos e brasileiro comerem", disse Lula a jornalistas antes de falar em Conferência da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). "Nós queremos discutir isso não com paixão, mas com racionalidade e não com o ponto de vista da Europa", afirmou Lula. Os comentários do presidente vêm após uma semana de críticas e protestos na Europa e no Brasil contra os combustíveis derivados de grãos e sobre os seus impactos ambientais e sociais. As crescentes críticas são um desafio à diplomacia do Brasil e ao auge de suas exportações agrícolas, que transformaram o país no maior exportador mundial de etanol derivado da cana de açúcar. Competidores e críticos tentaram relacionar várias das exportações agrícolas do Brasil, da carne à soja, com a destruição do meio-ambiente e com más condições de trabalho. "O Brasil está preparado para esse debate. Eu e o meu governo estamos prontos para viajar o mundo todo", disse. Os críticos afirmam que a produção maior de grãos para etanol e biodiesel, que deriva de sementes, está desgastando as terras que de outra forma seriam usadas para plantar alimentos. No Brasil, eles dizem que isso também empurra os pecuaristas e fazendeiros mais para o norte do país, o que contribui para a destruição da Amazônia. Alguns dos vizinhos brasileiros, incluindo Venezuela e Bolívia, alertaram na conferência da FAO nesta semana que os biocombustíveis podem aumentar a desnutrição na América Latina. O Brasil repetidamente usou o argumento de que tem muitas terras não cultivadas para plantar grãos usados nos biocombustíveis e que a atual produção ainda é pequena demais para afetar os preços dos alimentos. O governo brasileiro rejeitou nesta semana um código de conduta para produção e uso dos biocombustíveis, dizendo que a proposta feita na reunião da FAO precisava ser estudada.

RAYMOND COLITT, REUTERS

16 Abril 2008 | 18h08

Mais conteúdo sobre:
BIOCOMBUSTIVEIS LULA CRITICAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.