Margens do iPhone da Apple podem chegar a 50%

A Apple pode obter margem de lucro bruta de mais de 50% com seu celular e player de música iPhone, ante as margens de 20% obtidas por celulares comparáveis, afirma um analista de tecnologia. A popularidade dos players digitais de música iPod criou grande entusiasmo em torno do novo celular, que deve chegar às lojas em junho e tornar a Apple a mais lucrativa das empresas do setor, pelo menos inicialmente, disse Jagdish Rebello, analista da iSuppli. "É uma margem extremamente elevada para o setor", disse ele. "A Apple, pelo menos quando entrar no mercado, estará trabalhando em um nicho e pode construir uma posição com base no sucesso do iPod." A iSuppli baseou seus cálculos no preço inicial de venda de US$ 499 antecipado para o modelo e estimou os custos de produção e componentes, como hardware e software, em US$ 245,83. Com isso, a Apple obterá uma margem bruta de lucro de 50,7% para o modelo iPhone com memória de quatro Gigabytes. Mas as estimativas de outros analistas de Wall Street quanto à margem de lucro do iPhone são mais conservadoras. Shannon Cross, analista da Cross Research, afirmou em nota de pesquisa que antecipa que a Apple tenha margem de cerca de 22% no iPhone. Rebello calculou que o modelo com oito Gigabytes de memória, cujo preço de varejo será de US$ 599, tenha custo total de US$ 280,33 para a Apple, oferecendo margem bruta de lucro de 53,1%. Em comparação, ele calcula que as margens de modelos concorrentes são de cerca de 20% no caso dos celulares mais caros de fabricantes como Nokia, Motorola e Samsung Electronics . Brian Modoff, analista do Deutsche Bank, que cobre os fabricantes de celulares em geral, estimou que os fabricantes de celulares tendem a obter margens brutas de entre 40 e 45% em seus modelos mais sofisticados. Ele estimou que a Nokia consiga entre 10 e 15% de seu lucro operacional dos modelos de ponta, que respondem por apenas 10% de seu faturamento. A Apple informou, em seu último balancete trimestral, divulgado na quarta-feira, que sua margem geral de lucro era de 31,2%.

Agencia Estado,

19 Janeiro 2007 | 11h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.