1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Mercado interno descobre o gengibre

José Maria Tomazela - O Estado de S.Paulo

16 Junho 2010 | 01h 41

Em vez de exportar maior parte da produção, como em outros anos, agricultores vendem 70% da safra no Brasil

O brasileiro está aprendendo a consumir mais gengibre. O rizoma, famoso ingrediente do quentão das festas juninas, passou a fazer parte da dieta de pessoas que buscam alimentos saudáveis. Pelo menos é o que indica a mudança no destino da produção dos municípios de Tapiraí e Piedade, região de Sorocaba (SP), que detêm as maiores áreas cultivadas com gengibre no Estado de São Paulo.

A maior parte da produção está ficando no Brasil, em vez de ser exportada, como ocorria há quatro anos. Juntos, Piedade e Tapiraí contam com cerca de 80 produtores e área total de 170 hectares. A produção chega a 3.200 toneladas por ano.

Segundo o engenheiro agrônomo Alberto Shimoda, da Diretoria Municipal de Agricultura de Piedade, a popularização das culinárias japonesa e chinesa no Brasil difundiu o consumo. "O gengibre está entrando em pratos inspirados na culinária oriental, mas também é procurado porque faz bem à saúde." Aliada a um consumo maior, a baixa cotação do dólar frente ao real levou os produtores a darem preferência ao mercado interno. Além disso, lá fora, o produto brasileiro sofre com a concorrência do gengibre chinês.

A colheita segue acelerada em Piedade e o volume que está sendo exportado este ano é de apenas 30%, mas as remessas devem crescer à medida que avançar a colheita em Tapiraí. Em anos anteriores, chegou-se a exportar 70% da produção.

O agricultor Francisco Soares da Silva está entregando a maior parte da safra para hipermercados. Ele mantém a exportação apenas para não perder uma clientela já conquistada. "Para exportar, precisa selecionar um gengibre com mais padrão, mas o valor pago é o mesmo do produto que a gente vende no mercado interno".

Silva é um dos maiores produtores da região. Este ano, ele plantou 23 hectares que devem render uma produção total de 540 toneladas, com a média de 1.950 caixas de 12 quilos, ou 23,9 toneladas, por hectare. Ao preço da semana passada, de R$ 1,50 o quilo para o produtor, a receita anual bruta com a cultura pode chegar a R$ 820 mil na propriedade.

Colheita escalonada. As lavouras, em talhões isolados que não passam de 1 hectare (10 mil metros quadrados), espalham-se pela área de mais de 400 hectares do Sítio São Roque, no bairro da Bateia, na divisa entre Piedade e Tapiraí.

O produtor escalona a colheita para ter produção o ano todo. "O gengibre não é mais que uma raiz e pode ficar sob a terra por até dois anos, sem nenhuma perda", diz o produtor.

Ele explica que a cultura é distribuída em talhões pequenos, separados um do outro por outras culturas, para evitar as doenças causadas por fungos. "Se o fungo pega um talhão, ele se espalha rápido e pode dar perda total, mas a gente consegue salvar os talhões que não foram afetados."

Silva também produz outros tubérculos (inhame, batata-doce, cará e beterraba), possui lavador próprio e a estrutura de empresa conta com dezenas de funcionários. Para lavar o gengibre, ele usa um sistema de redes de tecido mergulhadas em água. Os rizomas ficam limpos e não sofrem lesões na casca.

Parcerias. Para manter a estrutura sempre ocupada, o produtor mantém parcerias com pequenos agricultores da região. O agricultor Benedito Garcia cultiva o gengibre e entrega a produção para Silva, que fornece a semente, adubo e outros insumos. "É uma parceria boa para o pequeno, pois o risco é menor." Garcia conta que a cultura é rústica e só requer a adubação convencional, no solo, mais algumas aplicações de adubo foliar. "A gente não usa inseticida, nem outros produtos químicos." As lavouras não são irrigadas. "É São Pedro quem garante a produção."

O município de Tapiraí ganhou destaque, no passado, como o maior produtor de gengibre do País. Com clima e solo favoráveis, a cidade chegou a ter mais de 300 produtores e quase toda a produção era exportada. Mas a prática de usar como semente o gengibre da própria lavoura e manejos inadequados levaram à propagação de doenças, sobretudo causadas por fungos. A produção declinou de forma vertiginosa e grande parte dos agricultores abandonou a lavoura. Agora, um trabalho da prefeitura e da Secretaria de Agricultura paulista começa a resgatar a tradição. Cerca de 40 produtores retomaram o plantio e vêm obtendo produtividade de até 20 toneladas/hectare. "Estamos buscando melhoria na qualidade da semente, o que é essencial para ter uma boa produção", diz o agrônomo Raul Rozas, da Casa da Agricultura local.

Os produtores que permaneceram na atividade aprenderam a controlar as doenças por meio de técnicas como a rotação de culturas na lavoura e o plantio menos adensado. A incidência já diminuiu e a qualidade melhorou. "Com o cultivo menos adensado, o padrão da raiz ficou melhor, com rizomas mais retos e volumosos", explica Rozas.

"Este ano foi bom, pois teve chuva na medida certa. As raízes estão saindo graúdas e brilhantes", diz o produtor Diogo Matsuda.

CALENDÁRIO DE CULTIVO

NESSA CULTURA, O PRÓPRIO GENGIBRE É A SEMENTE

1 Plantio

A semeadura ocorre entre os meses de agosto e novembro.

2 Amontoa

Cobertura com adubo é feita de outubro a março.

3 Colheita

Concentrada em agosto, mas com baixa atividade desde julho.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo