Microsoft paga para editar verbetes na Wikipedia

A Wikipedia, enciclopédia gratuita feita pelos próprios internautas, teve sua estrutura estremecida. Na terça, foi divulgado que a Microsoft ofereceu dinheiro a um usuário para que ele modificasse artigos técnicos no site. Ele chegou a negociar com a empresa de Bill Gates, mas o acordo não foi fechado. A Microsoft admitiu ter procurado um usuário e oferecido pagamento para que ele ?corrigisse imperfeições? nos artigos da Wikipedia sobre os padrões de documento de código aberto, um formato adotado pelo sistema operacional Linux, o rival da Microsoft. ?Ficamos decepcionados ao ouvir que a Microsoft estava pensando nessa abordagem?, disse Jimmy Wales, fundador da enciclopédia virtual. Catherine Brooker, porta-voz da Microsoft, acredita que os artigos foram escritos principalmente por funcionários da IBM, empresa que apóia o padrão de código aberto. A IBM não comentou. A justificativa da Microsoft foi que a empresa temia não obter resultados caso tentasse mostrar os erros para os editores da Wikipedia. Por isso, optou por um especialista independente, que pudesse determinar o local em que as mudanças eram necessárias. O internauta contratado pela Microsoft, Rick Jelliffe, diretor de tecnologia de uma companhia de computação baseada na Austrália, não comentou o caso. Em seu blog, se disse apenas surpreso pelo contato da Microsoft e afirmou que não é partidário da empresa. Confirmou, porém, que provavelmente aceitaria a oferta por considerar importante ?ter certeza de que os processos dos padrões técnicos estão bem explicados?. Catherine, da Microsoft, afirmou que as partes envolvidas no negócio não tinham determinado um preço e que ?dinheiro não trocou de mãos?. No entanto, afirmou Catherine, eles combinaram que a companhia não leria a correção do artigo antes de o texto entrar no ar. Para o fundador da enciclopédia, a Microsoft poderia ter escrito sobre o assunto num site e adicioná-lo nos fóruns de discussão.

Agencia Estado,

25 Janeiro 2007 | 10h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.