Mugabe rejeita proposta do 'cavalo agonizante' Bush

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, chamou nesta terça-feira George W. Bush de "cavalo agonizante", em resposta à pressão de Washington para que o líder aceite formar um governo de coalizão no sofrido país africano. O secretário-assistente de Estado dos EUA Jendayi Frazer disse no domingo que Mugabe renega o acordo com a oposição e está "completamente alienado" depois de ter transformado um país próspero em um "Estado falido". Mugabe e o líder oposicionista Morgan Tsvangirai concordaram, há mais de três meses, em formar um governo de unidade nacional para resolver a crise provocada pelas suspeitas de fraude na última eleição presidencial. Os EUA apoiaram o acordo, que no entanto foi abandonado devido a disputas pelo controle dos principais ministérios. "O governo de coalizão não inclui o sr. Bush e seu governo. Ele nem nos conhece. Não tem relações com a gente, então fique com seus comentários, não-desejados, irrelevantes, bastante estúpidos e tontos," disse Mugabe sobre o presidente dos EUA, que deixa o cargo em 20 de janeiro. "Percebemos que esses são os últimos coices de um cavalo agonizante. Obviamente não vamos prestar atenção." O Zimbábue mergulhou ainda mais na crise durante o impasse político. A hiperinflação faz os preços dobrarem a cada dois dias, e a oposição acusa o partido governista de sequestrar seus seguidores, o que o partido nega. Os EUA e outros governos ocidentais culpam Mugabe pelos problemas e o pressionam a renunciar, embora tenham poucos instrumentos para forçá-lo. As sanções internacionais não conseguiram enfraquecê-lo, e analistas dizem que o Ocidente não se dispõe a uma intervenção militar porque o Zimbábue não é considerado um país estratégico, com riquezas como o petróleo. Mugabe também continua confiante diante das críticas de vizinhos. A maioria dos líderes africanos, inclusive a poderosa vizinha África do Sul, exerce pressão sobre seu governo, mas sem pedir a renúncia.

MACDONALD DZIRUTWE, REUTERS

23 Dezembro 2008 | 10h06

Mais conteúdo sobre:
ZIMBABUE MUGABE COALIZO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.