Na era do pós-sal

Ele certamente não vale tanto quanto o petróleo. Mas vamos aproveitar as descobertas na chamada camada pré-sal para tratar do indispensável cloreto de sódio

O Estado de S.Paulo,

11 Setembro 2008 | 03h01

Não, você não errou de suplemento. Este continua sendo o Paladar e, se o assunto for ligado ao petróleo e às recentes descobertas na nossa costa, as melhores informações estão no caderno de Economia do Estado. Mas não podíamos deixar de tocar no tema, neste momento em que tanto se fala na camada de pré-sal e em pós-sal. Sim, estamos nos referindo ao cloreto de sódio.   Veja também: Pré-sal? Será que isso é de comer? Maldon: o inglês que conquistou o mundo Não é apenas a cor. É a textura Mas não vamos tratar aqui do velho sal grosso do churrasco, ou do sal comum usado no arroz com feijão. Vamos fazer nossa prospecção em níveis gastronômicos mais profundos, com o que há de melhor no âmbito deste ingrediente. A nossa imagem de capa também não foi extraída das profundidades oceânicas. A foto é de um pedaço graúdo de sal do Himalaia, com cristais de sal das Ilhas Baleares. O tradicional realçador de sabores foi muito além das possibilidades triviais. Ele é o responsável pela finalização de grandes pratos, o toque especial que vai conferir diferentes texturas e novos horizontes gustativos ao que você está provando. Das tradicionais fleurs de sel francesas até o cobiçado Maldon inglês, passando pelos novos sais aromatizados, a diversidade deste universo mostra que o ingrediente prosaico ganhou status de iguaria.   Conheça variados tipos e as opiniões díspares de especialistas como o chef americano Wylie Dufresne e o físico-químico francês Hervé This. E, para ninguém dizer que não falamos de pré-sal, descubra curiosidades - gustativas - sobre o sal que repousa placidamente a muitos metros de profundidade, no trecho de oceano entre Santa Catarina e o Espírito Santo. Importados, mas à venda no País    Flor de sal de Chipre  Azul do Irã  Rosa do Himalaia       Tem sabor suave do Mediterrâneo. Preço: R$ 40 Raro, seu sabor não persiste muito na boca. Preço: R$ 117 Cristais difíceis de morder. A moagem é recomendada. Preço: R$ 40    Defumado da Dinamarca  Vermelho do Havaí  Negro do Havaí        Bom para acompanhar grelhados. Preço: R$ 117  Leve sabor de amendoim torrado. Preço: R$ 117  Cristais quadrados e resistentes. Preço: R$ 117   Fotos: Alex Silva/AE

Mais conteúdo sobre:
sal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.