Não basta força, é preciso saber bater

Melhores cervejas 'extremas' dos EUA são potentes, mas equilibradas

Roberto Fonseca, O Estado de S.Paulo

11 Março 2010 | 03h38

"A vida é amarga; nossas cervejas, mais ainda." O ditado, visto por este repórter há alguns anos na lousa de uma pequena cervejaria gaúcha, encaixa-se bem na nova leva de cervejas "extremas" vindas dos Estados Unidos. Uma das vertentes dessa escola - que divide opiniões e é alvo de ressalvas até de mestres-cervejeiros consagrados por lá, como Garrett Oliver - é o amargor, originado pelo lúpulo.

Imagine uma cerveja industrial do dia a dia. Ela deve ter pouco menos de dez unidades de amargor, escala usada pelos cervejeiros. Mesmo as marcas artesanais brasileiras mais "radicais" chegam, hoje, à casa das 40 unidades. Há casos de cervejas "extremas" que passam de cem unidades, ou dez vezes mais. Mas não pense que tomar uma dessas cervejas equivale a sorver um copo de fel. Boas representantes do estilo seguem a linha "não basta ter força, é preciso saber bater (no paladar)".

Talvez por isso seja possível distinguir, entre as dez cervejas americanas da Flying Dog que chegaram há pouco ao Brasil, duas que valem realmente a pena. Se não tiver forças (nem orçamento) para um tour completo, vá direto ao topo da montanha de lúpulo com a Gonzo Imperial Porter e a Double Dog Double Pale Ale, ambas com 85 unidades de amargor.

A primeira é homenagem a Hunter Thompson morto em 2005 e "pai" do jornalismo gonzo (leia-se: interferência no curso da notícia e mistura entre fato e ficção) e um dos incentivadores da cervejaria.

A cerveja tem belo equilíbrio entre notas de malte torrado e chocolate, típicas do estilo, álcool (7,8%) e amargor, com combinação interessante de elementos cítricos trazidos pelo lúpulo.

Já a Double Pale Ale tem, ainda, desafiadores 11,5% de teor alcoólico, que, para risco do degustador, passam despercebidos em meio ao bom balanço entre malte, caramelo e notas de frutas cítricas. Importadas pela Tarantino (tel. 3093-0900), as long neck devem custar entre R$ 18 e R$ 25.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.