Nesta época, faturamento cresce 17%

Na maior cooperativa de flores e plantas ornamentais do País, previsão é comercializar 12 milhões de unidades

O Estado de S.Paulo

24 Dezembro 2008 | 00h34

O clima natalino fica ainda mais evidente na Cooperativa Veiling Holambra, principal centro de comercialização de flores e plantas ornamentais do País - responsável por 45% do mercado nacional - e maior cooperativa do gênero da América Latina, com estrutura física de 93 mil metros quadrados. A cooperativa comercializa um vasto mix de produtos: são cerca de 500 espécies de flores e plantas ornamentais de mais de 3.500 variedades diferentes, de acordo com o diretor comercial da cooperativa, Carlos Godoy. VAI-E-VEM Diariamente, durante o dia todo, caminhões de produtores e compradores entram e saem da cooperativa, trazendo e levando, além de tuias e bicos-de-papagaio, carregamentos de gérberas, violetas, orquídeas, antúrios, copos-de-leite, tango, amarílis, hortênsias, gladíolos, lírios, lisiantos, crisântemos, begônias, rosas e outras inúmeras espécies de flores de corte, de vasos e ornamentais. O vai-e-vem de funcionários, fornecedores, clientes varejistas e carrinhos - onde os lotes de flores e plantas são transportados dentro da cooperativa - também é intenso, mas tudo parece funcionar como uma bagunça organizada. Para se ter idéia do corre-corre natalino na cooperativa, são 300 fornecedores/produtores, 550 clientes cadastrados e 330 funcionários e colaboradores. Nos leilões de flores e plantas, realizados de segunda a sexta-feira e que funcionam como uma bolsa de valores, de forma caótica, são comercializadas até 4 milhões de unidades por semana e, em um período de cinco horas, o número de transações chega a 14 mil. "São dois relógios, 300 terminais de compra e 200 compradores por dia", explica Godoy, acrescentando que São Paulo é o principal destino, com 53,4% do mercado. EXPECTATIVA Só no ano passado, a Veiling comercializou 188 milhões de unidades, entre flores e plantas ornamentais. A previsão para este ano é de que sejam comercializadas 195 milhões de unidades, de acordo com o diretor. Já o faturamento do ano passado foi de R$ 208,7 milhões e a expectativa para este ano é que a cooperativa movimente R$ 230 milhões. "Para o Natal a previsão de crescimento de vendas é de 5% em produtos e de 17% em faturamento", fala Godoy. Só no Natal, acredita ele, devem ser vendidas 12 milhões de unidades de flores e plantas ornamentais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.