Nintendo apresenta poucas novidades na E3

Confortável na liderança, empresa japonesa aposta suas fichas no jogo casual e em franquias estabelecidas

Jocelyn Auricchio, O Estado de S. Paulo,

03 Junho 2009 | 12h54

A Nintendo não mostrou nada revolucionário. Confortável com sua liderança no mercado, a empresa japonesa preferiu investir no que é certo em vez de arriscar suas fichas em algo mais radical. A filosofia da Nintendo é claro: todos são jogadores em diferentes níveis. E são esses jogadores que ela quer. Resta saber se toda essa massa de jogadores latentes realmente irá ser cativada a jogar, e principalmente, continuará a comprar jogos depois de jogar por alguns minutos.   Movimento realista  A Nintendo finalmente liberou mais informações sobre os games compatíveis com o Wii Motion Plus, um acessório que refina bastante a captação de movimentos do controle do Wii. Tudo seria muito impressionante, mas a apresentação da Nintendo foi completamente obliterada pelo anúncio da Microsoft do Projeto Natal, no dia anterior. Mesmo em desvantagem técnica, o acessório se mostrou bastante promissor, especialmente na simulação de esgrima samurai, onde a menor torção de pulso ao desferir um golpe modifica totalmente o corte da espada virtual, exatamente como acontece com uma espada verdadeira.   RPGs A Nintendo mostrou que acredita no potencial dos RPGs ao anunciar vários jogos do gênero, para Wii e DS. Foi demonstrado um novo Final Fantasy para Wii. Denominado Final Fantasy: The Crystal Bearers, o jogo foi feito para aproveitar os controles avançados do Wii. O genial RPG Kingdom Hearts, que reúne personagens dos RPGs da Square-Enix com medalhões da Disney, também será lançado para Wii. Um novo Zelda para DS foi anunciado, uma continuação direta do game com visual de desenho animado e controles intuitivos.   Super Mario New Super Mario Wii, que será lançado no final do ano, é basicamente uma versão do genial game de DS para Wii, com a vantagem de que quatro pessoas podem jogar simultaneamente. O melhor anúncio da Nintendo foi Super Mario Galaxy 2. O primeiro, que saiu há alguns anos, é considerado o melhor Super Mario já feito até hoje. Pelo que foi mostrado, além dos elementos do primeiro, Yoshi, o dinossauro que apareceu pela primeira vez em Super Mario World, volta abrindo um mundo de possibilidades de jogabilidade. Coração A Nintendo também anunciou um novo acessório. Denominado Sensor de Vitalidade, o aparelho sente as pulsações do jogador e as transfere para os games. O objetivo é ajudar os jogadores a relaxar e interagir melhor com os jogos. De acordo com a pulsação, um jogo pode ficar mais fácil ou difícil, de acordo com o grau de emoção que o aparelho registrar.   Parcerias Grandes produtoras, como Capcom e Electronic Arts, foram convocadas para mostrar seus jogos para Wii. Até agora, o maior problema do console é a falta de grandes jogos que não são feitos diretamente pela Nintendo. Como os custos de desenvolvimento são relativamente menores no Wii, muitas produtoras soltaram jogos de péssima qualidade para o console, prejudicando a percepção de que o Wii é capaz de oferecer bons jogos. Um novo Metroid, produzido em conjunto com o Team Ninja, equipe que criou os games Ninja Gaiden e Dead or Alive, foi anunciado com alarde, encerrando a apresentação da Nintendo.     Sem nada avassalador, a Nintendo talvez tenha um ano duro pela frente para manter a liderança do mercado. Até agora, a empresa conseguiu voltar ao topo, mas se não apresentar novidades consistentes logo, a Nintendo talvez sofra uma nova queda. Resta saber se a estratégia de cativar os não-jogadores será suficiente.

Mais conteúdo sobre:
games Wii E3 Super Mario

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.