No ranking artesanal, boas notas

Veja como se saíram as pilsens, escolhidas para esta desgutação, e saiba onde encontrá-las

O Estado de S.Paulo

02 Maio 2008 | 00h33

As dez cervejas avaliadas atingiram, juntas, 2 mil pontos em 3 mil possíveis, ou 66,67% - média 6,7. Só duas ficaram abaixo de 150 pontos. Veja onde achá-las e os preços médios de varejo (em bares, tendem a ser mais caras): Bamberg - No Bar Anhanguera (3368-2771) e na própria fábrica (15) 3242-7685. www.cervejariabamberg.com.br. R$ 5,60 Colorado - Distribuída pela On Trade (5531-7301). www.cervejariacolorado.com.br. R$ 9 Eisenbahn - À venda em grandes redes de supermercados. www.eisenbahn.com.br. R$ 2,99 Dado Bier - Distribuída pela Bier&Wein (5643-8584). www.especiaisdadobier.com.br. R$ 5,80 Cidade Imperial - Distribuição da On Trade (5531-7301). www.choppimperial.com.br R$ 4,80 Backer - Distribuída pela Flowers Garden (5515-3716). www.backer.com.br. R$ 3,98 Baden Baden - Em supermercados e empórios. www.badenbaden.com.br. R$ 7,30 Dana Bier - 4192-4422 www.danabier.com.br. R$ 13 Barley e Mistura Clássica - Anhanguera (3368-2771), a R$ 4,90 e R$ 7,60. www.barley.com.br e www.misturaclassica.com.br. 2º - Colorado A cerveja de Ribeirão Preto, que leva mandioca em sua composição e tem 4,5% de teor alcoólico, surpreendeu os jurados. Manoel Beato e Miguel Icassati apontaram lembrança de amendoim no sabor. "Corpo agradavelmente marcante com sabores tostados instigantes", escreveu Beato. Dos seis jurados, cinco deram nota máxima à aparência da cerveja. "Dourada, clara, límpida, boa espuma", anotou Eduardo Passarelli. Cotação: Em 300 pontos, 248 3º - Eisenbahn O equilíbrio foi a principal característica atribuída à pilsen da cervejaria de Blumenau, com 4,8% de teor alcoólico. "Boa cerveja, com bom balanço entre malte e lúpulo", avaliou Passarelli, que deu nota máxima no quesito aroma. "Tem um odor típico e delicado de pilsen", anotou Icassati. "Agradável, com frescor acentuado", escreveu Norberto D?Oliveira em sua avaliação geral. Para ele, a cerveja teve boa carbonatação. "Mas perdeu em sabor no final." Cotação: 224 pontos 4º - Dado Bier A pilsen da microcervejaria gaúcha de mesmo nome, com 4,5% de teor alcoólico, criou um "consenso" entre os degustadores. Todos a acharam muito seca no final. "Ela perde um pouco por deixar a boca seca demais no final de degustação", afirmou Dinho Luiz. Os jurados, porém, também apontaram pontos positivos. Passarelli citou um "bom amargor de lúpulo" e "bom aroma". Para Beato, apesar do "travo" no fim, o sabor tem "ótima vivacidade". Cotação: 210 pontos 5º - Cidade Imperial Produzida em Petrópolis (RJ), de onde tira seu nome, a cerveja apresentou aroma frutado, segundo quatro dos seis jurados. "A esterificação está fora do padrão do estilo", afirmou Passarelli. "Fora isso, porém, é uma boa cerveja." Carlos Lima elogiou o gosto final e o corpo da cerveja. Dinho afirmou: "O sabor evolui na boca e dá vontade de beber mais." Para Beato, porém, "faltou equilíbrio". "E ela tem certa aspereza na boca." Cotação: 203 pontos 6º - Backer Três dos jurados apontaram que a artesanal mineira, com 4,8% de teor alcoólico, tinha doçura marcante no sabor. Norberto descreveu a sensação na boca criada pela Backer como "adocicado persistente e com baixa carbonatação". "Poderia ter mais equilíbrio com o lúpulo", disse Passarelli. Para Beato e Icassati, apesar do "ataque" inicial no sabor, no gosto final a cerveja perde em força. Dinho a classificou como "perfeita para praia". Cotação: 195 pontos 7º - Baden Baden Cristal Com o menor teor alcoólico entre os concorrentes - 3,8% -, a pilsen produzida pela cervejaria artesanal de Campos do Jordão - comprada recentemente pela Schincariol - foi considerada pela maioria dos jurados muito suave. "Falta um pouco mais de intensidade aromática e força na textura", disse Beato. "Passa rápido pela boca", avaliou Icassati. Para Passarelli, a cerveja é suave, mas refrescante. Cotação: 192 pontos 8º - Dana Bier Cecília Lager O que mais chamou a atenção dos jurados na produção de Aldeia da Serra, com 5% de teor alcoólico, foi o lúpulo. "No aroma, ele é demasiado. E o sabor tem amargor exagerado, o que deixa a bebida um tanto dura", resumiu Beato. "Gosto de lúpulo, mas aqui ele ficou muito forte", brincou Passarelli. "Ficou desequilibrada", avaliou Norberto. A cor da cerveja, avaliaram os degustadores, ficou mais escura que o padrão. Cotação: 145 pontos 9º - Barley A produção de Capela de Santana (RS), com 4,7% de teor alcoólico, surpreendeu os degustadores - negativamente. Para três dos jurados, ela apresentou aroma frutado, lembrando banana - característica de uma cerveja de trigo. "Há alguns bons sabores característicos, mas dominam os menos agradáveis", afirmou Beato. A espuma também foi considerada pouco duradoura. Cotação: 132 pontos Acidentes de degustação Durante a avaliação, uma das garrafas da Mistura Clássica servidas no Anhanguera estava com a validade vencida - fato que não pudemos ignorar, já no decorrer da avaliação, e pelo qual fazemos mea-culpa. Alguns dos jurados apontaram, em suas avaliações, efeitos decorrentes da oxidação da cerveja, em especial na análise dos aromas. Também foi indicada baixa carbonatação, que "tirou o frescor", segundo Passarelli, e deixou a cerveja "pesada", de acordo com Dinho. Para que isso não gerasse distorções no resultado, a bebida ficou fora do ranking de notas. Mesmo com o problema, entretanto, a pilsen do Rio, com 4,2% de teor alcoólico, obteve 192 pontos, marca que a conduziria ao sétimo lugar, em empate com a Baden Baden Cristal. E, descontados esses aspectos, a Mistura Clássica, de Volta Redonda, recebeu avaliações positivas. "Um pouco pesada, apesar de ter personalidade", afirmou Beato. "O aroma revela oxidação, mas também malte pronunciado e lúpulo frutado", disse Norberto.

Mais conteúdo sobre:
cerveja artesanal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.