O grissini era um detalhe. Virou atração e está no mercado

 

18 Novembro 2010 | 10h26

Nas festas do banqueteiro Ricardo Cunha os grissinis de parmesão e alecrim nunca passavam despercebidos. E o que era para ser só um detalhe num coquetel ou jantar acabou virando atração. "Os clientes começaram a me ligar e fazer encomendas", conta o chef formado em Hotelaria e Turismo no Porto e pelo CIA em Nova York. Resultado, passou a vender seus grissinis na Casa Santa Luzia e em outros pontos da cidade . "O processo é artesanal. Abro a massa com a mão, corto e enrolo um a um. Por isso ficam tão crocantes", diz Cunha. Preço médio: R$ 14 a caixa com 250g. (3814- 2960, www.ricardocunhapc.com.br)

 

 

 

 

Veja também:

linkEle é a cara das delis de NY

linkJornalista em busca do pastrami perfeito

linkSem um pastrami para chamar de seu

Leia mais:

linkUm olhar na direção da cozinha de Alice Waters

linkFeita em casa é mais gostosa

linkO vinho vira cultura no séc. 21

linkDiga-me o que bebes e te situarei na sociedade

linkNome que faz tremer

linkQuem gosta de vinhos velhos?

linkCésar Pisano: morre um dos inventores da Tannat uruguaia

linkNorth Grill, em versão chique

linkNorma, molho com nome de ópera

blog Blog do Paladar

Mais conteúdo sobre:
grissini Ricardo Cunha paladar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.