OMS recomenda exames precoces para HIV em bebês

Dados preliminares sugerem que medicação precoce aumenta a chance de sobrevivência da criança

Associated Press,

25 Julho 2007 | 20h01

Novos dados mostrando que bebês infectados pelo HIV têm muito mais chance de sobreviver se forem tratados nas primeiras semanas de vida destacam a importância do diagnóstico precoce, disse um importante representante da Organização Mundial da Saúde (OMS).   Dados preliminares de um novo estudo mostram que a terapia com anti-retrovirais aplicada a crianças sul-africanas nos primeiros três meses de vida, antes mesmo que os sintomas da Aids se manifestassem, ajudou esses bebês a ter uma chance de sobrevivência maior que a de bebês que iniciaram  terapia mais tarde, depois de apresentar sinais da doença.   As normas atuais da Organização Mundial da Saúde pedem que as drogas sejam administradas apenas depois do surgimento de sintomas de enfraquecimento do sistema imunológico.  Mas os resultados preliminares do levantamento sul-africano mostraram-se tão animadores que autoridades sanitárias internacionais começarão a discutir uma reavaliação das regras.   "Esses são dados novos e de grande importância potencial", disse o diretor do programa de Aids da OMS, Kevin De Cock, que participa de uma conferência da Sociedade Internacional de Aids, na Austrália.   A cada ano, cerca de meio milhão de bebês nascem infectados pelo HIV em todo o mundo.

Mais conteúdo sobre:
aids bebês anti-retrovirais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.