Operação Replicante iniciou investigação há um ano

A operação Replicante, que está em curso ao longo desta quarta-feira, é resultado de um ano de investigações sobre uma quadrilha de hackers que utilizam programas espiões os chamados ataques de phishing scam para roubar logins e senhas de acesso de usuários de serviços de internet banking. A operação também visa reprimir usuários que difundem os programas e que chegam a passar milhares de e-mails por dia e, carteiros ou "cartãozeiros" que fazem a parte operacional na arregimentação de contas e cartões de laranjas e no pagamento de boletos via internet em contas de terceiros. Participam da operação 300 policiais lotados em Goiás, Distrito Federal, São Paulo e Minas Gerais e serão cumpridos mais de 120 mandados entre prisões e busca e apreensão, sendo que 3 mandados de prisão serão cumpridos no Distrito Federal, 2 no Tocantins, 1 no Rio Grande do Norte e 1 no Rio de Janeiro. Os mandados de prisão e os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 11a. Vara da Justiça Federal em Goiás, onde está a base da quadrilha. Seqüência A operação Replicante As investigações tiveram início há um ano e desdobram-se em uma seqüência de operações que a Polícia Federal vem realizando para combater este segmento de crime desde o ano 2000: Operação Cash Net (2001), Cavalo de Tróia I (2003), Cavalo de Tróia II (2004), Pégasus e Pégasus II (2005).

Agencia Estado,

12 Setembro 2006 | 12h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.