Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Geral » País tem mais de 40 milhões no ensino básico da rede pública

Estadão

País tem mais de 40 milhões no ensino básico da rede pública

Os dados preliminares do Censo Escolar 2013 foram publicados ontem; tendência é de queda no número de matrículas

0

ALEXANDRE BAZZAN, ESPECIAL PARA O ESTADO E BÁRBARA FERREIRA SANTOS,

23 Setembro 2013 | 20h40

O Brasil tem hoje 40,3 milhões de alunos matriculados no ensino básico das redes públicas municipais e estaduais, segundo dados preliminares do Censo Escolar 2013, publicados ontem no Diário Oficial da União.

Os números divulgados pelo Ministério da Educação (MEC), por meio do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), são referentes às matrículas efetuadas em todo o ensino básico: educação infantil (creches e pré-escola), ensino fundamental, ensino médio, educação de jovens e adultos e o sistema de educação especial. Os números ainda não são definitivos porque os gestores têm 30 dias para efetuar correções, se for necessário.

O número de matrículas no ensino básico do País tem caído desde 2010. Daquele ano a 2012, o número passou de 43,5 milhões para 41,1 milhões – redução de quase 5,5%. Se o número preliminar for confirmado daqui a um mês, a redução no número de matrículas entre 2010 e 2013 pode chegar a 6,5%. Os dados finais são usados pelo governo para execução dos programas de merenda, transporte escolar, distribuição de livros, uniformes, entre outros.

Considerando só o ensino fundamental, a queda foi de 6,4% de 2010 a 2012. Em 2010, o número de matrículas era de 26.675.320, passando a 24.944.975 em 2012. Para o professor do mestrado em Educação da PUC-Minas Carlos Jamil Cury, a queda era prevista por causa da diminuição populacional.

Inclusão. Na educação especial houve aumento no número de matrículas: de 2010 a 2012, as inscrições saltaram de 528.261 para 636.451, crescimento de 20,4%. “Há uma tendência de que crianças com necessidades especiais sejam progressivamente incorporadas à rede regular. O aumento de matrículas, contudo, não significa inclusão real. Professores não estão preparados, nem mesmo as escolas têm infraestrutura necessária”, diz a especialista em Educação Andrea Ramal.

Mais conteúdo sobre: